Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Hezbollah diz que ataque israelense ao Líbano matou comandante de elite

Grupo xiita libanês, apoiado pelo Irã e aliado do Hamas, identificou a liderança como Wissam al-Tawil

Por Da Redação
Atualizado em 7 Maio 2024, 16h32 - Publicado em 8 jan 2024, 10h41

O grupo xiita radical libanês Hezbollah, aliado da organização terrorista palestina Hamas, disse nesta segunda-feira, 8, que um dos seus comandantes foi morto por um ataque israelense no sul do Líbano, aumentando os temores de que a guerra na Faixa de Gaza possa transbordar para outros países do Oriente Médio e se tornar um conflito regional mais amplo.

Em comunicado, o Hezbollah identificou o comandante como Wissam Hassan Al-Tawil. De acordo com a agência de notícias Reuters, ele era chefe da unidade de elite Radwan – que, segundo Israel, pretende infiltrar-se na sua fronteira norte.

O grupo libanês afirmou que Al-Tawil foi morto num ataque em Khirbet Selm, uma aldeia no sul do Líbano, a cerca de quinze quilômetros da fronteira israelense. Tel Aviv ainda não fez comentários sobre o ataque.

Tensões aumentam

Um dia antes, no domingo 7, militares israelenses afirmaram que haviam matado pelo menos sete membros do Hezbollah em ataques para destruir a unidade de Radwan, e que estavam prontos para atacar mais posições do grupo libanês.

O chefe do Estado-Maior militar israelita, tenente-general Herzl Halevi, disse que as suas forças estavam determinadas a manter a pressão sobre o Hezbollah e que se esses esforços fracassassem, Israel estava pronto para travar “outra guerra”.

Continua após a publicidade

“Criaremos uma realidade completamente diferente ou chegaremos a outra guerra”, disse ele no domingo.

No sábado 6, ataques do Hezbollah danificaram uma base militar israelense, a Unidade de Controle Aéreo do Norte no Monte Meron. Foi um dos maiores ataques do grupo contra Israel ao longo dos meses de escaramuças na fronteira.

A milícia libanesa, apoiada pelo Irã e considerada uma das maiores forças paramilitares do mundo, prometeu apoio ao Hamas (também financiado por Teerã), e passou a fazer ataques de pequena escala na fronteira de Israel desde o início da guerra, há três meses. Nos últimos dias, intensificou os ataques em resposta ao assassinato, na semana passada, do número 2 do Hamas, devido a um ataque aéreo em Beirute.

Conflito regional

Os confrontos na fronteira israelo-libanesa aumentaram as preocupações de que a guerra em Gaza possa transformar-se num conflito regional mais amplo. Em solidariedade com o Hamas, a milícia houthi do Iêmen – ela também apoiada pelo Irã, que trava uma guerra civil contra o governo oficial desde 2014 – atacou navios no Mar Vermelho e lançou mísseis contra Israel. Os Estados Unidos, por sua vez, atingiram alvos no Iraque, enquanto Israel realizou investidas seletivas na Síria e no Líbano contra facções islâmicas locais.

Continua após a publicidade

A posição de Tel Aviv é que só há duas opções para restaurar a estabilidade na fronteira libanesa: uma solução diplomática que afastaria as forças do Hezbollah da região, a norte do rio Litani; ou uma grande ofensiva militar contra o grupo xiita, que arrastaria mais um país para a guerra.

O secretário-geral do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, alertou Israel em dois discursos televisionados na semana passada para não iniciar uma conflito em grande escala contra o Líbano.

“Quem pensa em guerra conosco – em uma palavra, vai se arrepender”, disse Nasrallah.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.