Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Harry diz que processou tabloides para reduzir ‘ódio’ contra Meghan

O príncipe testemunhou em processo contra o conglomerado de mídia Mirror Group, que supostamente hackeou telefones para obter informações sobre ele

Por Da Redação
Atualizado em 7 jun 2023, 14h43 - Publicado em 7 jun 2023, 14h38

Após dois dias de interrogatório, o príncipe Harry concluiu nesta quarta-feira, 7, o seu depoimento à Suprema Corte britânica, em Londres. O membro da realeza processa o conglomerado de tabloides Mirror Group Newspapers (MGN) por supostamente hackear telefones para obter informações sobre ele, o que a empresa nega.

Segundo o príncipe, o principal motivo de ter processado o Mirror Group seria o frequente assédio da mídia contra a sua esposa, Meghan. O casal abriu, ainda, diversas ações contra veículos de comunicação do Reino Unido e dos Estados Unidos desde 2019, incluindo o News Group Newspapers (NGN) do poderoso Rupert Murdoch.

O duque de Sussex destacou, ainda, que desejava responsabilizar a empresa, porque não poderia confiar na equipe jurídica da instituição.

+ Príncipe Harry acusa tabloides de retratá-lo como ‘burro’ e ‘drogado’

“Acho que foi uma decisão sobre como, de alguma forma, encontrar uma maneira de parar o assédio, a intrusão e o ódio contra mim e minha esposa, e ver se havia um curso de ação diferente, em vez do que confiar nos advogados da instituição”, afirmou o Duque de Sussex.

Continua após a publicidade

Ao longo do testemunho, que se estendeu por nove horas no total, Harry foi interrogado sobre as suas reações aos possíveis resultados do julgamento. O advogado do Mirror Group, Andrew Green, perguntou se ele se sentiria “aliviado” ou “desapontado” caso o tribunal deliberasse que a empresa não praticou espionagem.

“Acredito que o hackeamento de telefones ocorria em escala industrial”, reforçou Harry. “Uma vez que o Mirror Group aceitou hackear [telefones], eu sentiria alguma injustiça [se o desfecho não indicasse isso]”.

O duque alegou que “telefones descartáveis” teriam sido utilizados por jornalistas do conglomerado, e Green ressaltou que não havia provas disso, ao contrário do caso contra contra a empresa midiática de Murdoch.

Para Harry, contudo, a ausência de um número elevado de registros “absolutamente não inocenta” o Mirror Group. Ele alegou que provas teriam sido “destruídas” e que os envolvidos “teriam feito de tudo para encobrir seus rastros”.

Continua após a publicidade

Descrevendo o que chamou de constante desrespeito dos tabloides britânicos durante sua vida, o membro da família real citou o caso do término do seu relacionamento com a empresária Chelsy Davy, em 2007. Ele disse que um artigo da época, com a manchete “Hooray Harry Dumped” (Viva! Harry abandonado”, em tradução livre), teria “comemorado” o fim do namoro.

+ Príncipe Harry falta a julgamento no Supremo devido a aniversário da filha

“Foi doloroso, para dizer o mínimo”, afirmou, “que um momento tão privado tenha se transformado em uma piada”.

Harry declarou, ainda, que o grau de vigilância ao qual foi submetido era difícil de lidar e informou que existe a possibilidade de que ele estava sendo monitorado “diariamente”.

Continua após a publicidade

Ao final do depoimento, seu advogado, David Sherborne, disse que o duque “teve que responder a perguntas sabendo que este é um tribunal muito público e que a mídia mundial está assistindo” e questionou como Harry se sentia sobre isso. Aparentemente emocionado, ele desabafou que era “coisa demais para lidar”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.