Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hamas chama Bolsonaro de “extremista” ao reagir a tuíte de senador do PSL

Grupo radical diz que política do presidente para Israel está 'desestabilizando a região' e que ninguém pode legitimar a ocupação israelense em Jerusalém

O presidente do Conselho de Relações Internacionais do Hamas, Basem Naim, chamou Jair Bolsonaro de “extremista” e rebateu nesta sexta-feira, 5, as declarações do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) que, em sua conta no Twitter, disse querer que o grupo radical palestino se explodisse.  A publicação do post deu-se durante a visita de seu pai, o presidente do Brasil, a Israel.

“O filho do extremista presidente brasileiro está atacando o Hamas porque rejeitamos o apoio ilimitado do novo governo brasileiro à ocupação israelense, que é uma contradição ao apoio histórico do Brasil ao povo palestino”, escreveu Naim também no Twitter. “Jerusalém é um território ocupado, de acordo com o direito internacional, e ninguém, incluindo Jair Bolsonaro, tem o direito de legitimar a ocupação israelense”, acrescentou.

No último dia 2, o senador publicara a seguinte frase: “quero que vocês (do Hamas) se explodam!!!”. Respondia, dessa forma, à insatisfação palestina com a decisão do governo brasileiro de instalar um escritório comercial em Jerusalém. O post foi apagado em seguida. Dois dias depois, Bolsonaro filho disse que o episódio era “página virada”.

Para Naim, a política de Bolsonaro para Israel prejudica as relações históricas do Brasil com palestinos, árabes e muçulmanos. “As políticas dele (Bolsonaro) estão desestabilizando a região”, afirmou o membro do Hamas. “Esperamos que o corajoso povo do Brasil interrompa essas políticas perigosas.”

O Hamas controla politica e militarmente a Faixa de Gaza. Os demais territórios palestinos, em especial a Cisjordânia, são dominados pela Autoridade Nacional Palestina (ANP) ou estão sob ocupação israelense, como é o caso de Jerusalém oriental. A ANP reagiu diplomaticamente contra decisão de Bolsonaro, ao chamar de volta a Ramallah seu embaixador em Brasília, Ibrahim Zeben.

(Com Estadão Conteúdo)

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. o que é que temos que nos meter nesta confusão?

    Curtir