Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hamas anuncia cessar-fogo com Israel após nova escalada de ataques

Sinalização de paz ocorre após bombardeio da Faixa de Gaza, em uma represália israelense por foguete que atingiu uma casa em Tel-Aviv

O Exército israelense lançou, nesta segunda-feira 26, ataques na Faixa de Gaza em resposta ao disparo de um foguete lançado no domingo à noite que atingiu uma casa ao norte de Tel Aviv. Após a escalada de tensão, o Hamas anunciou um cessar-fogo, negociado por intermédio do governo de Egito. Não há, porém, um posicionamento de Israel até o momento.

A organização palestina Hamas, que controla a Faixa de Gaza, anunciou que chegou a um cessar-fogo com Israel com mediação do Egito, após horas de intenso confronto, a apenas duas semanas das eleições israelenses.

“Os esforços egípcios tiveram sucesso”, alcançando “um cessar-fogo entre a ocupação e as facções da resistência”, disse o porta-voz da organização, Fawzi Barhum.

Antes desta declaração, helicópteros israelenses tinham lançado ao menos três ataques no oeste da Faixa de Gaza, contra uma base do braço armado do Hamas, em resposta ao foguete que feriu sete civis.

Diversos confrontos foram registrados após o anúncio do cessar-fogo, mas por volta da meia-noite (19h de Brasília) a calma parecia retornar à região.

Os ataques aéreos contra Gaza aconteceram no momento em que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu chegava na Casa Branca, onde o presidente americano Donald Trump afirmou que “Washington reconhecia o direito de Israel de se defender” e chamou de “ataque desprezível” o disparo de foguete de domingo.

Além disso, Trump assinou um termo reconhecendo a soberania israelense sobre as disputadas Colinas de Golã, uma zona fronteiriça que Israel conquistou da Síria em 1967 e anexou em 1981.

“Estávamos preparando isso há muito tempo”, afirmou Trump ao lado de Netanyahu. O reconhecimento dos Estados Unidos do controle israelense sobre as Colinas de Golã rompe com décadas de consenso internacional.

Represália israelense

Em Israel, o Exército informou que “começou a atacar alvos terroristas do Hamas na Faixa de Gaza”. O comando militar israelense decidiu enviar “duas brigadas de reforço à zona do comando sul”, a região da Faixa de Gaza, e convocar um determinado número de reservistas, sem revelar a quantidade exata.

De acordo com as autoridades israelenses, na noite desta segunda-feira foram disparados 30 foguetes da Faixa de Gaza em direção a Israel, e alguns foram interceptados pela defesa antiaérea.

Os militares indicaram que o foguete que atingiu a casa foi lançado a partir do sul do território palestino e percorreu quase 120 km.

Antes de anunciar a trégua, o Hamas foi taxativo ao negar nesta segunda o disparo o foguete e disse que o movimento islâmico palestino não tem interesse em um confronto com o Estado judeu.

“Ninguém dentro dos movimentos de resistência, incluindo o Hamas, tem interesse em disparar foguetes de Gaza contra o inimigo”, disse à AFP um alto funcionário do movimento que controla a Faixa de Gaza, e que pediu anonimato.

Essa mesma mensagem foi transmitida ao Egito, que atua como mediador entre Israel e o Hamas, segundo a fonte.

Um organismo vinculado ao ministério da Defesa de Israel anunciou o fechamento das passagens de fronteira para pessoas e produtos entre Israel e o território palestino.

As forças israelenses respondem sistematicamente aos disparos de foguetes procedentes de Gaza, com ataques contra posições militares do Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

Israel e Hamas protagonizaram três guerras na Faixa de Gaza desde que o movimento islamita assumiu o poder à força em 2007, depois que a comunidade internacional se recusou a reconhecer a vitória do movimento nas eleições legislativas palestinas.

Em 2018 as duas partes quase iniciaram outra guerra. Após um cessar-fogo informal em novembro e à medida que se aproxima o primeiro aniversário das manifestações que receberam o nome de “grande marcha do retorno”, a tensão aumenta.

A queda do foguete em uma casa de Mishmeret provocou um incêndio, segundo a polícia e os serviços de emergência. Quatro adultos e três crianças, incluindo um bebê de seis meses, foram internados, informou o hospital de Kfar Saba. Seis pessoas pertencem à mesma família e sofreram queimaduras e ferimentos leves por estilhaços.

A imprensa israelense mencionou a possibilidade de o foguete, do tipo Fajr, ter sido ativado de maneira acidental durante uma operação de manutenção. Hamas e Jihad Islâmica negaram responsabilidade pelo disparo.

(Com AFP)