Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Governos estrangeiros tentaram influenciar eleições nos EUA, diz Microsoft

China, Irã e Rússia teriam tentado invadir contas e sistemas ligados aos partidos Democrata e Republicano com o objetivo de manipular o pleito de novembro

Por Da Redação Atualizado em 11 set 2020, 11h40 - Publicado em 11 set 2020, 11h20

Hackers da China, Irã e Rússia tentaram atacar organizações e pessoas vinculadas às campanhas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do democrata Joe Biden com a intenção de influenciar as eleições de novembro, segundo um relatório divulgado na quinta-feira 10 pela Microsoft.

O relatório indica que as atividades de infiltração detectadas deixam claro que grupos estrangeiros aumentaram seus esforços com o objetivo de afetar as eleições de 2020. As ações, segundo a empresa, ocorreram nos últimos meses e incluem movimentações de grupos russos já identificadas pelo governo dos Estados Unidos como tentativas de influenciar as eleições de 2016.

Os detalhes do relatório chegam um dia após um informante do governo americano ter revelado que a Casa Branca e o Departamento de Segurança Nacional tentaram minimizar os relatórios de inteligência que mostravam a extensão da interferência eleitoral russa, e em vez disso se concentraram em investigações sobre influência chinesa e iraniana.

ASSINE VEJA

Covid-19 no Brasil: o pior já passou Leia nesta edição: Queda na curva de mortes mostra sinais de alívio na pandemia. E mais: por que o futuro político de Lula está nas mãos de Bolsonaro
Clique e Assine

Os hackers russos atacaram mais de 200 organizações, incluindo os partidos Republicano e Democrata, além de consultores ligados a atividades relacionadas com as eleições e organizações britânicas e europeias, detalhou a Microsoft. O relatório ainda menciona o Partido Popular Europeu e a instituição German Marshall Fund.

Continua após a publicidade

Também consta no relatório que os hackers chineses têm tentado, desde março, se infiltrar em equipamentos de pessoas associadas à campanha presidencial de Joe Biden. As tentativas de invasão também miram líderes de grupos de influência em relações internacionais e instituições de pesquisa, como o Atlantic Council.

“O grupo (chinês) também marcou como alvo uma pessoa importante anteriormente associada ao governo Trump”, acrescentou a análise, que também cita que grupos do Irã tentaram obter acesso entre maio e junho a dados de pessoas associadas à campanha do atual presidente, além de funcionários do alto escalão do governo americano.

Os investigadores da Microsoft acreditam que as técnicas dos hackers russos evoluíram e agora incluem a automatização de alguns aspectos das tentativas de acesso com “força bruta”, assim como “novas ferramentas de reconhecimento e novas técnicas para ocultar os ataques”. A empresa afirma, no entanto, que os mecanismos de segurança repeliram “a maior parte dos ataques”.

“Acreditamos que é importante para o mundo conhecer as ameaças aos processos democráticos. É essencial que todas as pessoas envolvidas nestes processos em todo o mundo estejam conscientes destas ameaças e tomem medidas para se protegerem pessoal e profissionalmente”, ressaltou a gigante da tecnologia.

Continua após a publicidade

Publicidade