Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Funcionários públicos e caminhoneiros farão paralisação na Argentina

Trabalhadores protestam contra polícias econômicas de Maurício Macri e acordo com FMI

Sindicatos de funcionários públicos, professores e caminhoneiros farão, na quinta-feira, uma paralisação de 24 horas na Argentina em rechaço à política econômica do presidente Mauricio Macri, que recentemente assinou um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciaram nesta terça em coletiva de imprensa.

A medida, que inclui uma mobilização na central Praça de Maio, onde fica a sede da Presidência, é estimulada pela Central de Trabalhadores Argentinos (CTA), enquanto espera a decisão da majoritária Confederação Geral de Trabalhadores (CGT).

Nesta terça, foi suspensa uma reunião entre dirigentes da CGT e o ministro de Trabalho, Jorge Triaca, na qual o governo devia responder sobre cinco pontos – entre eles, frear demissões nos setores público e privado por seis meses.

A CGT reclama também uma discussão salarial sem teto máximo e que os salários sejam isentos de impostos.

O protesto acontece em meio a uma profusão de paralisações e marchas de organizações sociais e políticas que reclamam mudanças na política econômica.

A Argentina vem anunciando uma série de medidas para cortar gastos públicos à medida que o governo busca reduzir o déficit fiscal, que prevê alcançar 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. A mais nova manobra foi o acordo com o FMI.

O acordo

O acordo da Argentina com o FMI exigirá que o governo de Mauricio Macri realize um ajuste fiscal mais rigoroso e em menor tempo do que o previsto pelo gradualismo que marcava sua política econômica.

Mas o programa dará margem para revisão das metas de déficit público, caso haja necessidade de expansão do gasto social.

Em vez de focar apenas em questões macroeconômicas, como no passado, o empréstimo de 50 bilhões de dólares anunciado na quinta-feira (7) tem um condicionamento social e exige que o governo mantenha por três anos o patamar atual de gastos nessa área, como proporção do PIB.

Durante a crise que levou ao calote da Argentina em 2001, o FMI adotou metas rigorosas de ajuste fiscal, em um cenário de retração do crescimento e agravamento das condições sociais, o que nutriu a hostilidade de grande parte da população em relação à instituição.

(Com AFP e Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    #DON’TCRY,HëRMan@
    A Venezuela é assim,oooH
    😮 Pra Todo Mundo, ou:NãO,PqP-:–

    Curtir