Clique e assine com até 92% de desconto

França nega que Guaidó esteja escondido em embaixada em Caracas

Acusação veio de Nicolás Maduro, na segunda-feira, e foi reiterada pelo chanceler venezuelano, que acusa governos estrangeiros de esconder oposicionistas

Por Da Redação Atualizado em 5 jun 2020, 12h54 - Publicado em 5 jun 2020, 12h44

A França negou, nesta sexta-feira, 5, que o líder opositor venezuelano Juan Guaidó esteja refugiado em sua embaixada em Caracas. A acusação havia sido levantada pelo chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza.

“O senhor Juan Guaidó não está na residência da França em Caracas. Confirmamos isso várias vezes às autoridades venezuelanas”, disse a porta-voz do Ministério francês das Relações Exteriores, Agnès von der Mühll.

Na quarta-feira 4, Arreaza disse que Guaidó estava na embaixada francesa. O presidente, Nicolás Maduro, havia insinuado dias antes que o líder parlamentar estava “escondido em uma embaixada”.

“Nós não podemos entrar em uma residência de uma embaixada de nenhum país, neste caso da Espanha, ou da França, e que a Justiça os tire à força. Não pode, não pode”, respondeu Arreaza em entrevista a uma rádio ao ser questionado por um jornalista sobre a suposta presença de Guaidó na embaixada francesa e sobre a permanência de seu mentor, Leopoldo López, “hospedado” na residência do embaixador espanhol em Caracas há mais de um ano.

ASSINE VEJA

Os riscos da escalada de tensão política para a democracia Leia nesta edição: como a crise fragiliza as instituições, os exemplos dos países que começam a sair do isolamento e a batalha judicial da família Weintraub
Clique e Assine

“Esperamos que esses governos retifiquem (…) e entreguem os foragidos da justiça à Justiça venezuelana”, acrescentou Arreaza. Guaidó, por outro, negou estar escondido.

Continua após a publicidade

As acusações de Maduro e Arreaza ocorrem paralelamente ao acordo de 10 milhões de dólares que serão administrados na Venezuela pela Organização Pan-americana da Saúde (OPAS) contra a Covid-19, devido a um acordo assinado por representantes de Guaidó e Maduro.

  • O deputado opositor Juan Pablo Guanipa, vice-presidente da unicameral Assembleia Nacional, afirmou que são recursos “designados” pelo “governo interino” de Guaidó, chefe parlamentar reconhecido como presidente da Venezuela por cinquenta países, liderados pelos Estados Unidos. A OPAS, segundo o legislador, condicionou sua gestão a um endosso do governo de Nicolás Maduro.

    “Em meio à crise humanitária complexa em que vivemos (…), o governo interino de Juan Guaidó, com a aprovação da Assembleia Nacional, destinou alguns recursos no valor de US$ 10 milhões que serão atribuídos” à OPAS “para investir na Venezuela”, disse Guanipa em um vídeo divulgado nas redes sociais na noite de quarta-feira.

    “A OPAS condicionou sua participação à aceitação pela ditadura”, acrescentou referindo-se ao governo de Maduro.

    O acordo assinado na terça-feira 2 por funcionários de Maduro e Guaidó indica que “ambas as partes se propõem a trabalhar em coordenação”, com o apoio da OPAS, “na busca de recursos financeiros que contribuam para fortalecer as capacidades de resposta do país” ao coronavírus. Não requer valores ou condições para sua execução.

    (Com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade