Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Forças rebeldes e do governo anunciam um cessar-fogo

Tropas e Exército vinham travando violento conflito nas ruas da capital Sana

Por Da Redação - 25 out 2011, 10h12

Entenda o caso

  1. • A revolta começou em 27 de janeiro, mas ganhou força em 21 de fevereiro, quando os Jovens da Revolução montaram um acampamento na capital Sanaa, pedindo a queda do regime de Ali Abdallah Saleh, no poder há 33 anos.
  2. • Em junho, após um ataque dos rebeldes ao palácio presidencial, o ditador foi hospitalizado na Arábia Saudita, onde se recuperou dos ferimentos causados por uma explosão – ele teve 40% do corpo queimado e passou por oito cirurgias.
  3. • Em 12 de setembro, Saleh delegou ao vice-presidente, Abdo Rabu Mansur Hadi, autoridade para negociar uma transferência pacífica do poder com a oposição, que não se mostrou satisfeita por considerar que suas reivindicações não foram atendidas.

Leia mais no Tema ‘Revoltas no Mundo Islâmico’

As forças do governo do Iêmen e a de seus adversáros chegaram a um acordo sobre um cessar-fogo imediato na capital Sana.

O anúncio foi feito nesta terça-feira por uma fonte ligada ao regime do ditador Ali Abdullah Saleh.

A primeira divisão blindada do Exército que havia se somado aos protestos confirmou o acordo, assim como a assessoria do poderoso chefe tribal xeque Mohsen al Ahmar, como consta em comunicado do comitê conjunto que supervisiona o processo.

Publicidade

Ambas as partes se encontravam em combate com as tropas do chefe de estado.

“O cessar-fogo entrou em vigor às 15 horas (horário local, 10 horas em Brasília) e deve ser seguido pela retirada dos homens armados das ruas, do desmantelamento das barreiras e das barricadas e do retorno à normalidade na capital”, indicou a agência oficial Saba.

(Com agência France-Presse)

Publicidade