Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Forças da segurança usam gás lacrimogêneo contra manifestantes no Líbano

Protesto acontece em meio às irritações populares contra o governo por explosão que deixou ao menos 154 mortos e 5.000 feridos

Por Da Redação 7 ago 2020, 13h16

Forças da segurança do Líbano usaram gás lacrimogêneo contra manifestantes que tentaram invadir a sede do Parlamento do país, em Beirute, na noite da quinta-feira 6, em meio a irritações populares contra o governo por conta da explosão dois dias antes que deixou ao menos 154 mortos e 5.000 feridos.

Aos gritos de “revolução”, usados também na onda de protestos do ano passado contra a corrupção e a desigualdade no país, alguns manifestantes destruíram lojas e jogaram pedras na polícia, segundo a Agência Nacional de Informações. Agentes reagiram, incluindo com uso de gás lacrimogêneo, e diversos manifestantes ficaram feridos, de acordo com a agência. 

Vídeos publicados nas redes sociais mostram um bloqueio montado pela polícia para impedir que manifestantes chegassem ao Parlamento, que fica a pouco mais de um quilômetro do porto, onde aconteceu a explosão. O protesto acontece às vésperas de uma grande manifestação contra o governo, marcada para sábado. 

A origem do incidente de terça-feira ainda é desconhecida. Segundo o governo, a explosão pode ter sido causada pela detonação de 2.750 toneladas de nitrato de amônio que estavam armazenadas de forma incorreta no porto de Beirute. No entanto, nesta sexta-feira, 7, o presidente libanês, Michel Aoun, afirmou que uma investigação foi aberta para determinar se a explosão foi causada por negligência, acidente ou uma possível interferência externa. Parte da população culpa a má gestão das autoridades pelo ocorrido.

Continua após a publicidade

 

A explosão provocou uma onda de choque que danificou imóveis e comércios próximos. Os danos materiais são estimados em 15 bilhões de dólares e milhares pessoas estão desabrigadas. 

Voluntários continuam chegando de outras regiões do país para ajudar em esforços de reconstrução da capital. Algumas pessoas começaram a retornar na noite de quinta-feira para seus casas e seus comércios. 

“O que você quer que eu diga?”, disse uma mulher identificada como Hilda, que olhava os destroços de sua loja de presentes, à emissora libanesa LBCI. “Não há nada restante do bairro, nem mesmo nossa loja”. 

Em mais um ponto da situação caótica que se instaurou no país, o Líbano registrou 255 casos do novo coronavírus na quinta-feira, a maior taxa de infecção para um único dia. É provável que o número aumente, à medida que a explosão desabrigou milhares e levou outras centenas para hospitais lotados. 

(Com AFP)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)