Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA querem que Brasil declare Hezbollah como grupo terrorista

Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca diz que Trump e Bolsonaro "desenvolveram relação, mesmo remotamente".

Por Da Redação
Atualizado em 27 nov 2018, 21h02 - Publicado em 27 nov 2018, 20h02

Nas vésperas de seu encontro com o presidente eleito Jair Bolsonaro, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, declarou nesta terça-feira, 27, que tratará da preocupação dos Estados Unidos em estender sua cooperação contra o terrorismo e que o governo de Donald Trump tem expectativas de que o Brasil declare o Hezbollah como grupo de terror.

Bolton deverá visitar Bolsonaro na quinta-feira, 29, no Rio de Janeiro e, depois, seguir viagem para Buenos Aires, onde acompanhará Trump na reunião de cúpula do G20. Segundo Bolton, a questão do contraterrorismo será tratada com todos os sete líderes com os quais o presidente americano se reunirá às margens do G20.

“(Tratar dos esforços contraterrorismo) é algo que certamente acontecerá no Brasil, com o presidente eleito Bolsonaro, e penso que é uma das maiores prioridades do presidente Trump estender a cooperação contra o terrorismo, seja sobre Hezbollah ou Hamas ou outros”, afirmou Bolton. 

O conselheiro de Trump, conhecido por sua linha dura nas áreas de Política Externa e de Segurança Internacional, não chegou a dar detalhes sobre os demais temas a serem tratados em sua conversa com Bolsonaro. Bolton escapou de perguntas sobre como a Casa Branca construiria boas relações comerciais com o Brasil depois das críticas de Trump ao protecionismo brasileiro e sobre como ambos os países podem tratar conjuntamente a questão da Venezuela.

“Esse encontro vai preparar o terreno para a futura relação bilateral. Do ponto de vista dos Estados Unidos, é uma oportunidade histórica para o Brasil e os Estados Unidos trabalharem juntos nas áreas de economia, segurança e muitas outras. Quero muito ouvir o presidente Bolsonaro e expor as visões do presidente Trump para ele”, afirmou Bolton.

O conselheiro relatou que a ideia dessa reunião surgiu durante o telefonema de Trump para futuro presidente brasileiro na noite da eleição.  “Eles desenvolveram uma relação, mesmo remotamente, foi o primeiro a ligar.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.