Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EUA impõem novas sanções ao setor de turismo de Cuba

Washington acusa Havana de redirecionar receita de viagens para seu próprio benefício; americanos não poderão se hospedar em propriedades do governo cubano

Por Da Redação Atualizado em 23 set 2020, 16h08 - Publicado em 23 set 2020, 15h52

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira, 23, um endurecimento das sanções contra o setor de turismo de Cuba, proibindo pessoas sujeitas à jurisdição americana de se hospedarem em propriedades designadas como pertencentes ao governo de Havana.

“As mudanças restringem a acomodação em certas propriedades em Cuba; a importação de bebidas alcoólicas de origem cubana e de tabaco; a assistência a, ou a organização, de reuniões profissionais, ou de conferências em Cuba; e a participação em determinados eventos públicos”, informou o Departamento do Tesouro em um comunicado.

“O governo cubano tem redirecionado a receita das viagens autorizadas para seu próprio benefício, muitas vezes às custas do povo cubano”, disse o secretário do Tesouro, Steven T. Mnuchin.

Com esta atualização das restrições, o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) proibirá qualquer pessoa sujeita à jurisdição dos Estados Unidos de permanecer, pagar por acomodação ou fazer uma reserva para si ou para terceiros em qualquer propriedade identificada pelo Departamento de Estado como propriedade do governo de Cuba. O regulamento também afeta as propriedades nas mãos de funcionários sancionados ou membros do Partido Comunista de Cuba designados com restrições ou seus parentes próximos.

O governo do presidente republicano, Donald Trump, reverteu a política de abertura em relação a Cuba iniciada por seu antecessor democrata, Barack Obama, lançando uma bateria de sanções econômicas para restringir as receitas cambiais do governo de Havana.

  • O anúncio das sanções ocorre a 40 dias da eleições presidencial. A sanção pode beneficiar Trump no importante estado da Flórida, onde existe uma forte comunidade cubana que fugiu de seu país e hoje tem direito ao voto nos Estados Unidos. Garantir o estado, significa levar 29 dos 270 delegados mínimos dentro do colégio eleitoral.

    Nesta quarta-feira, Trump também homenageou na Casa Branca os veteranos da fracassada invasão da Baía dos Porcos, operação que tentou derrubar Fidel Castro do poder em 1961, além, de ter lembrado dos 40 anos do Êxodo de Mariel – o exílio em massa de cubanos nos Estados Unidos.

    Continua após a publicidade
    Publicidade