Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA homenageiam vítimas dos ataques de 11 de setembro

Cerimônias em Washington, Nova York e em Shanksville marcam o 11º aniversário dos atentados que deixaram cerca de 3.000 mortos

Em um ato marcado pela proximidade das eleições presidenciais, a população dos Estados Unidos relembra nesta terça-feira o décimo primeiro aniversário dos atentados de 11 de setembro de 2001, praticados em Nova York, Washington e Pensilvânia e que deixaram cerca de 3.000 mortos. No Pentágono, onde caiu um dos quatro aviões sequestrados por membros da rede terrorista Al Qaeda, a homenagem às vítimas começou às 9h30 locais (10h30 de Brasília), com um pronunciamento do presidente Barack Obama. Em seguida, ele e sua mulher, Michelle, devem promover um minuto de silêncio na Casa Branca.

Acervo digital: 11 de Setembro: como foi o dia que transformou os EUA

Saiba mais: A América pós-terror

Se em 2011 a cerimônia, que foi realizada no local onde ficavam as Torres Gêmeas, foi realizada em meio ao impacto do décimo aniversário dos ataques e da eliminação de Osama bin Laden em maio daquele ano, não é esperada tanta pompa para o ato de 2012.

Seguindo com as celebrações de terça-feira, o vice-presidente Joe Biden viajou para Shanksville, no estado da Pensilvânia, para prestar homenagem às vítimas do voo 93 da United Airlines, que caiu perto dessa localidade depois de os passageiros e a tripulação terem enfrentado os sequestradores.

Em Nova York, onde dois aviões se chocaram contra as Torres Gêmeas do World Trade Center (WTC), a cerimônia está sendo realizada nesta manhã no National September 11 Memorial Plaza, inaugurado no ano passado no local dos ataques.

Os grandes veículos de imprensa americanos destacaram a falta de políticos no ato organizado em Nova York e a visível diminuição do número de pessoas presentes se comparado aos anos anteriores. Para analistas locais, após 11 anos dos ataques, a população do país finalmente deu continuidade a suas vidas e o dia 11 de setembro de 2012 poderá ser lembrado como o primeiro em que a tragédia disse respeito somente aos familiares das vítimas.

Leia também:

A história da muçulmana que abandonou o islã após o 11/9