Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

EUA designam Coreia do Norte como patrocinadora de terrorismo

Inteligência da Coreia do Sul alerta sobre novos testes balísticos de Pyongyang ainda neste ano

Por Da redação - Atualizado em 21 nov 2017, 10h31 - Publicado em 20 nov 2017, 16h39

Os Estados Unidos, através do Departamento do Tesouro, estão impondo novas sanções e penalidades à Coreia do Norte, designando-a como patrocinadora estatal do terrorismo, disse o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta segunda-feira. Apenas outros três países atualmente são designados na lista americana: a Síria (desde 1979), o Irã (a partir de 1984) e a Líbia (desde 1993).

A designação e as penalidades – mais um passo na escalada da retórica entre Trump e o ditador norte-coreano, Kim Jong-un – ocorre após a agência de inteligência da Coreia do Sul afirmar também na segunda-feira que Pyongyang deve conduzir testes adicionais ainda neste ano para aperfeiçoar sua tecnologia de mísseis de longo alcance e aumentar a ameaça contra os Estados Unidos.

A Coreia do Norte tem levado adiante um programa balístico e de armas nucleares que desafia as sanções do Conselho de Segurança da ONU e não tem feito segredo sobre seus planos de desenvolver um míssil capaz de atingir o território americano. O país já disparou dois mísseis sobre o Japão.

Pyongyang parece ter realizado recentemente um teste de motor de mísseis, e movimentos rápidos de veículos foram percebidos perto de conhecidas instalações do norte, segundo Yi Wan-young, membro do comitê de inteligência do Parlamento sul-coreano. O parlamentar, no entanto, esclareceu que não foi detectado sinal de teste nuclear iminente

Publicidade

“Há uma possibilidade de a Coreia do Norte disparar uma série de mísseis balísticos neste ano dizendo se tratar de um lançamento de satélite para, na verdade, alavancar suas ameaças contra os Estados Unidos”, disseram parlamentares sul-coreanos a repórteres.

A Coreia do Norte diz que seu programa armamentista é uma defesa necessária contra os planos de invasão dos Estados Unidos, que possuem 28.500 tropas baseadas na Coreia do Sul.

(Com agências)

Publicidade