Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA: Biden não chega a acordo com republicanos e arrisca calote do governo

País deve atingir teto da dívida em 1º de junho, mas partidos não conseguem chegar a meio termo sobre como aumentar limite de gastos

Por Da Redação
23 Maio 2023, 09h54

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Câmara, o republicano Kevin McCarthy, não conseguiram chegar a um esperado acordo na noite segunda-feira 21 para aumentar o teto da dívida do governo, atualmente em US$ 31,4 trilhões (R$ 156,73 trilhões). De acordo com projeções, o país está a 10 dias de atingir o teto e dar um possível calote, o que poderia afundar a economia americana.

O presidente, do Partido Democrata, e o deputado, que é o principal membro do Partido Republicano no Congresso, têm lutado para chegar a um acordo. McCarthy está pressionando a Casa Branca a concordar com cortes de gastos no orçamento federal, que Biden considera “extremos”, enquanto defende novos impostos para complementar a renda do governo, que os republicanos rejeitam.

Ambos os lados, contudo, enfatizaram a necessidade de evitar o calote com um acordo bipartidário após a reunião de segunda-feira, e sinalizaram que conversarão regularmente nos próximos dias.

“Reiteramos mais uma vez que o calote está fora de questão e a única maneira de avançar é de boa fé em direção a um acordo bipartidário”, disse Biden em comunicado após a reunião, que chamou de “produtiva”.

McCarthy disse a repórteres, após mais de uma hora de conversa com Biden, que os negociadores “vão se reunir, trabalhar a noite toda” para tentar encontrar um meio termo.

Continua após a publicidade

“Acredito que ainda podemos chegar lá”, disse McCarthy. Ele não está disposto a considerar o plano de Biden de reduzir o déficit aumentando os impostos dos ricos e fechando brechas fiscais para as indústrias petrolífera e farmacêutica, mas focado em reduzir os gastos no orçamento federal de 2024.

Democratas e republicanos têm até 1º de junho para aumentar o limite de autoempréstimos do governo ou desencadear uma moratória da dívida sem precedentes, que os economistas alertam que pode provocar uma recessão. O fracasso em elevar o teto da dívida desencadearia um calote que abalaria os mercados financeiros e aumentaria as taxas de juros em tudo, desde pagamentos de carros a cartões de crédito.

Qualquer acordo para aumentar o limite deve passar pelas duas câmaras do Congresso e, portanto, depende do apoio bipartidário. Os republicanos de McCarthy controlam a Câmara por 222-213, enquanto os democratas de Biden detêm o Senado por 51-49. O líder da Câmara disse que é preciso fechar um acordo ainda nesta semana para que seja sancionado por Biden a tempo de evitar o calote.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.