Clique e assine a partir de 9,90/mês

Espanha ultrapassa a China em número de casos de coronavírus

Apesar do crescimento de contágios, país observou pequena queda no registro de novas mortes causadas pela Covid-19 desde a semana passada

Por Da Redação - Atualizado em 30 mar 2020, 13h23 - Publicado em 30 mar 2020, 09h53

A Espanha ultrapassou a China em número de casos do novo coronavírus nesta segunda-feira, 30, quando o país registrou um total de 85.195 pessoas infectadas, de acordo com o Ministério da Saúde. A nação asiática tem atualmente 82.198 casos.

Nas últimas 24 horas, 838 pessoas morreram na Espanha, onde o número total de óbitos supera 6.500. Embora o balanço diário continue sendo desolador, desde a última quarta-feira 25 o aumento do número de mortos desacelera, passando de 27% a mais em um dia para 14,7%.

ASSINE VEJA

Coronavírus: a salvação pela ciência
Coronavírus: a salvação pela ciência Enquanto os melhores laboratórios do mundo entram em uma luta bilionária contra a doença, países trazem experiências bem-sucedidas para que a vida e a economia voltem à normalidade
Clique e Assine

Agora, o país ibérico está atrás apenas da Itália, que tem 97.689 casos confirmados, e dos Estados Unidos, com 143.055, segundo o monitoramento em tempo real da Universidade Johns Hopkins.

O número total de mortos no país fica atrás apenas do registrado na Itália, que lidera a estatística com 10.779 falecimentos. Ainda de acordo com o relatório diário do governo, há 5.231 internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) – uma alta de 324 pessoas em um dia. Outras 2.071 receberam alta dos hospitais espanhóis.

Continua após a publicidade

O governo de Pedro Sánchez endureceu o confinamento imposto em 14 de março. Todas as atividades não essenciais no país serão interrompidas por duas semanas.

Entre os contaminados pelo novo coronavírus, está o diretor do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências Sanitárias, Fernando Simón, que já está cumprindo o isolamento social. No mundo, há mais de 737.000 casos confirmados da nova doença e 35.000 mortes, de acordo com a Johns Hopkins.

Publicidade