Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Em livro, Bolton diz que Trump pediu sua ajuda para pressionar Ucrânia

Presidente americano determinou a seu então conselheiro que trabalhasse por encontro entre seu advogado e o líder da Ucrânia em maio de 2019

Por Da Redação 31 jan 2020, 16h30

O jornal americano The New York Times, publicou nesta sexta-feira, 31, uma reportagem detalhando mais trechos do manuscrito de memórias do ex-conselheiro de segurança nacional John Bolton, dizendo que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, iniciou sua campanha de pressão contra a Ucrânia dois meses antes de diretamente ameaçar o líder da Ucrânia, Vladimir Zelensky.

O manuscrito de Bolton traz as primeiras evidências de que altos funcionários da Casa Branca estiveram envolvidos no ato de abuso de poder de Trump, a principal denuncia que o presidente enfrenta no julgamento de seu impeachment. A revelação se dá no momento em que os senadores americanos discutem nesta sexta-feira se vão convocar novas testemunhas.

A convocação de Bolton já era muito esperada pelos democratas, apesar de não ter ocorrido durante o processo na Câmara dos Deputados. Os republicanos se recusavam a convocar o ex-conselheiro. O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, disse não ter votos suficientes para barrar a convocatória de Bolton. Entretanto, não se sabe ainda qual será o desfecho da sessão em curso no plenário. A republicana Lisa Murkowski, que antes apoiava a convocação de Bolton, recuou.

Em maio de 2019, Trump pediu a Bolton, durante uma reunião no Salão Oval na Casa Branca, que o ajudasse a pressionar a Ucrânia a investigar os negócios do ex-vice-presidente Joe Biden e de seu filho Hunter no país. Biden é seu potencial concorrente nas eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos.  O telefonema a Zelensky deu-se dois meses depois.

Na mesma reunião no Salão Oval estavam presentes o advogado pessoal de Trump, Rudolph Giuliani, e mais dois funcionários da Casa Branca: o chefe de gabinete, Mick Mulvaney, e Pat Cipollone, conselheiro do presidente. Cipollene lidera a defesa de Trump no julgamento do Senado.

Continua após a publicidade

Bolton teria sido encarregado de ligar para Zelensky e organizar um encontro entre o ucraniano e Giuliani para negociar a investigação contra os Biden. Segundo o jornal, o ex-conselheiro nunca fez a ligação.

Entre a publicação da primeira reportagem sobre o tema, no domingo 28, e esta sexta-feira, a Casa Branca tentou proibir que o livro fosse impresso e publicado porque haveria “uma quantidade significativa de informação sigilosa”. Dentre elas, algumas seriam “ultrassecretas”, capazes de “razoavelmente causar danos excepcionalmente graves à segurança pública” dos Estados Unidos.

Mas o advogado de Bolton, Charles Cooper, comunicou que o ex-conselheiro não acredita que em seu manuscrito, que está sob análise da Casa Branca, haja segredos de Estado comprometedores. Cooper pediu à Presidência para especificar quais trechos eram considerados como de informações sigilosas.

O processo de impeachment contra Trump foi instaurado em setembro de 2019 após um delator anônimo ter entregado ao Comitê de Inteligência da Câmara um relatório sobre a conversa do presidente teve com o líder ucraniano no mês de julho.

Trump teria pressionado Zelensky a abrir uma investigação ou apenas realizar um pronunciamento público de que seu país iria investigar os Bidens por corrupção. Se cumprido, o americano liberaria a ajuda militar de 391 milhões de dólares à Ucrânia e organizaria uma visita de Estado de Zelensky à Casa Branca. O presidente americano nega todas as acusações e diz sofrer uma “caça às bruxas”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)