Clique e assine a partir de 9,90/mês

EI ameaça os EUA em novo vídeo: “A luta só começou”

Terroristas divulgaram trailer com cenas em câmera lenta e ataque a tropas americanas, em resposta à estratégia dos EUA para conter os extremistas

Por Da Redação - 17 set 2014, 16h33

(Atualizado às 21h38)

Os terroristas do Estado Islâmico (EI) continuam usando a estética da barbárie como arma de propaganda. Um novo vídeo com ameças aos Estados Unidos foi divulgado pelo grupo extremista, com imagens de explosões em câmera lenta, tropas americanas atingidas pelas chamas e uma edição ágil de 52 segundos, apresentada como uma espécie de trailer de um vídeo mais longo. A sequência é concluída com o título: “Chamas da Guerra: A Luta Só Começou” e o tradicional “Breve”, utilizado com frequência em trailers de filmes hollywoodianos.

A divulgação do vídeo parece ser uma resposta ao discurso realizado pelo presidente Barack Obama na última quarta-feira, quando ele prometeu destruir os jihadistas. E ocorre pouco depois de o general-chefe do Estado-Maior Conjunto, Martin E. Dempsey, dizer ao Senado que tropas poderão ser deslocadas para operações terrestres específicas se os bombardeios aéreos liderados pelos Estados Unidos não surtirem efeito contra o avanço do EI.

Leia também:

EUA prendem americano acusado de recrutar membros para o EI

Bomba com gás cloro explode enquanto era manipulada por jihadistas

O vídeo tem ainda cenas de George W. Bush discursando a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln, em maio de 2003, com a frase “Missão Cumprida” ao fundo, e de Obama dizendo que os militares não retornarão ao território iraquiano. O foco, no entanto, são os ataques a soldados americanos, que também aparecem auxiliando militares feridos. (Continue lendo o texto)

Segundo o jornal The Wall Street Journal, o vídeo foi publicado na internet pelo grupo Al Hayat Media Center, o mesmo que divulgou as imagens brutais da decapitação dos jornalistas americanos, James Foley e Steven Sotloff, e do voluntário britânico David Haines, também acompanhadas de ameaças contra os governos americano e britânico.

Continua após a publicidade

Obama – Nesta quarta-feira, Obama voltou a descartar o envio de tropas ao Iraque. O plano de combate ao EI formulado pelo governo prevê o envio de 475 consultores para treinar forças de segurança locais e coletar dados de inteligência, mas que não vão se envolver em confrontos, ressaltou. “Eu quero ser claro. As forças americanas enviadas ao Iraque não têm nem terão missões de combate. Nós treinaremos e forneceremos equipamentos aos nossos parceiros. Vamos aconselhá-los e prover assistência. Vamos liderar uma coalizão de países que participarão dessa luta”, afirmou o presidente, em um discurso na Base Aérea de MacDill, em Tampa, no estado da Flórida.

Leia mais:

EUA pediram apoio contra EI, mas Teerã rejeitou, diz Khamenei

Hollande adverte sobre perigo de jihadistas atacarem na Europa

Ameaça em Nova York – Membros de um fórum na internet administrado pelo EI conclamavam “lobos solitários” a perpetrarem atentados terroristas na Times Square e outros pontos turísticos de Nova York. Um post ensina a fazer bombas caseiras com potencial destruidor, a partir de instruções publicadas em uma revista da Al Qaeda, em 2010. O guia também seria o mesmo utilizado pelos irmãos Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev para fabricarem as bombas usadas no atentado à Maratona de Boston, em abril do ano passado. O ataque deixou três mortos e mais de 200 feridos. Tamerlan foi morto em uma troca de tiros com a polícia e Dzhokhar está preso, aguardando julgamento. Ele pode ser condenado à pena de morte.

Aprovação – A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos votou nesta quarta-feira a favor de um plano de ajuda para os rebeldes sírios moderados, que ainda deve ser aprovado pelo Senado, no primeiro passo da estratégia de Barack Obama contra o Estado Islâmico.

Os legisladores adotaram a medida como emenda a uma lei de finanças, por 273 votos a 156. Vários parlamentares dos dois partidos – republicano e democrata – votaram contra esta iniciativa -, refletindo a divisão no Congresso em torno da estratégia do presidente Obama na guerra contra o EI.

O plano aprovado pela Câmara dá carta branca ao Pentágono para equipar e treinar os rebeldes sírios e determina que o Executivo apresente ao Congresso, a cada 90 dias, um relatório sobre sua execução, incluindo o número de combatentes formados e os grupos sírios beneficiados com treinamento, armas e equipamentos.

https://youtube.com/watch?v=Td9SyiIRHWs

Continua após a publicidade
Publicidade