Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Egito prende importante dirigente da Irmandade Muçulmana

Esam al-Erian, um dos líderes da Irmandade Muçulmana, escondia-se no Cairo

Por Da Redação - 30 out 2013, 08h45

As forças de segurança prenderam nesta quarta-feira Esam al-Erian, uma das últimas figuras da liderança da Irmandade Muçulmana egípcia que ainda estava em liberdade, anunciou o ministério do Interior do Egito. Erian, vice-presidente da estrutura política da Irmandade, o Partido da Liberdade e da Justiça (PLJ), foi detido durante a madrugada em seu esconderijo na zona leste do Cairo.

Em fotos divulgadas nas redes sociais, aparentemente feitas durante a detenção, Erian aparece sorridente e faz um gesto para criticar a derrubada do presidente islamita Mohamed Mursi, deposto pelos militares em 3 de julho. Mais de mil partidários de Mursi morreram em ações da polícia e do exército desde a violenta dispersão de seus simpatizantes, em 14 de agosto. Além disso, mais de 2.000 integrantes da Irmandade Muçulmana foram detidos.

Leia também

Convidados de festa em igreja cristã no Cairo são alvo de atiradores

Publicidade

Julgamento – Mursi comparecerá a partir de 4 de novembro a um tribunal do Cairo, acusado de “incitação ao assassinato” de manifestantes em 5 de dezembro de 2012, quando estava no poder. Advogados que defendem Mursi anunciaram na segunda-feira que o ex-presidente não reconhece a autoridade do tribunal responsável por seu julgamento.

O exército, que nomeou um governo e um presidente interino, mantém Mursi detido em um local secreto. A Irmandade, que não consegue mobilizar o mesmo número de manifestantes como aconteceu pouco depois da queda de Mursi, convocou protestos para o dia do início do julgamento. O governo advertiu que mobilizará as forças de segurança e analistas temem novos atos de violência.

(Com agência Reuters)

Publicidade