Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Cristina Kirchner admite: ‘Sim, sou teimosa e estou velha’

Depois da gafe de José Mujica no início do mês, presidente argentina se manifestou antes de viajar ao lado do uruguaio para reunião da Unasul

Por Da Redação 20 abr 2013, 03h15

Os presidentes da Argentina, Cristina Kirchner, e do Uruguai, José Mujica, parecem ter resolvido suas diferenças depois da gafe do uruguaio, que no início do mês chamou a colega de 60 anos de “velha” e “teimosa” sem perceber que seu microfone estava ligado.

Depois de informar que viajaria a bordo do avião oficial argentino ao lado de Mujica para a reunião da União das Nações Sul-americanas (Unasul), realizada na sexta-feira no Peru, Cristina postou em sua conta oficial no Twitter: “Sim, sou mesmo meio teimosa e também estou velha. Mas depois de tudo… é uma sorte poder chegar à velhice, não? Sobretudo se sua vida serviu para fazer as coisas que sua pátria necessitava. Tranquilo. Está tudo bem”.

Escândalo – Há duas semanas, Mujica caiu na armadilha que já pegou vários governantes imprudentes. Sem perceber que seu microfone estava ligado, fez um comentário que ganhou repercussão contra a vontade do presidente. “Essa velha é pior que o vesgo … o vesgo era mais político, ela é teimosa”, disse ele, fazendo refência a Cristina e seu falecido marido, o ex-presidente argentino Néstor Kirchner.

Em resposta, o chanceler argentino, Héctor Timerman, entregou uma nota de protesto à embaixada do Uruguai em Buenos Aires, transmitindo o “profundo mal-estar” com as declarações de Mujica. No texto, o governo argentino considera “inaceitável que comentários degradantes que ofendem a memória de uma pessoa morta, que não pode responder nem se defender, tenham sido realizados, particularmente, por alguém a quem Kirchner considerava seu amigo”.

Mujica, de 78 anos, pediu desculpas por sua fala e enviou uma carta direta para Cristina. Segundo ele, sua forma áspera de se expressar é fruto de seu tempo como preso político e de combatente guerrilheiro em clandestinidade nas décadas de 1960 e 1970.

Continua após a publicidade

Publicidade