Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Costa Rica e Nicarágua concordam em manter diálogo

Países querem México e Guatemala como mediadores do conflito fronteiriço

Por Da Redação 18 jan 2011, 04h43

Os governos da Costa Rica e Nicarágua acordaram continuar o diálogo através da mediação do México e da Guatemala para solucionar seu conflito limítrofe, ao concluir nesta segunda-feira (17) os primeiros contatos na cidade mexicana de Cuernavaca.

Os quatro países emitiram um comunicado conjunto sobre a primeira reunião do denominado “Exercício de Facilitação da Guatemala e México com Costa Rica e Nicarágua”.

Neste primeiro contato, os mediadores mantiveram “um diálogo amplo, franco e amistoso com cada uma das delegações, separadamente”, assinalou o texto conjunto.

Costa Rica e Nicarágua acordaram que “o exercício de Facilitação pode prosseguir sob um esquema flexível de reuniões periódicas”.

As nações também acordaram que “adicionalmente a futuras convocações, o acompanhamento de Guatemala e México pode adotar a modalidade de visitas de seus chanceleres ou de seus representantes a San José e Manágua”.

Por fim, os países ressaltaram que “o Exercício de Facilitação constitui um mecanismo político valioso junto ao processo que Costa Rica e Nicarágua seguem atualmente na Corte Internacional de Justiça, e a instrumentação de suas eventuais decisões”.

Continua após a publicidade

A delegação costa-riquenha foi liderada pelo embaixador Melvin Sáenz, coordenador para a América Central do Ministério das Relações Exteriores do seu país. Já a Nicarágua foi representada pelo embaixador do país na OEA (Organização dos Estados Americanos), Denis Moncada.

Pelo México, participou do encontro a chanceler Patricia Espinosa, e pela Guatemala, o chanceler Haroldo Rodas.

A Costa Rica acusou a Nicarágua na CIJ (Corte Internacional de Justiça) de uma suposta violação de sua soberania territorial, por manter soldados em uma zona que San José considera território costa-riquenho, o que não é aceito por Manágua.

Na semana passada, a Nicarágua manteve diante da CIJ a tese de que suas tropas nunca invadiram o território costa-riquenho e que o conflito com a Costa Rica é de natureza fronteiriça.

A Costa Rica, por sua vez, considerou “inaceitável e ofensivo” o que vê como uma pretensão da Nicarágua para modificar artificialmente a fronteira entre os dois países com a construção de um canal.

(com Agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade