Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Coronavírus provoca colapso no mercado da cocaína

Preço da folha de coca no mercado internacional caiu 73%. Nos EUA, produto sumiu das ruas

Por Ernesto Neves Atualizado em 15 jun 2020, 12h46 - Publicado em 15 jun 2020, 10h09

Além de paralisar indústrias inteiras, como a aviação internacional, o turismo, e o entretenimento, o fechamento da economia provocado pela pandemia do coronavírus produziu outro efeito inusitado: o mercado de cocaína enfrenta um colapso sem precedentes.

Desde março, quando o surto de Covid-19 se intensificou, o preço da folha de coca, principal matéria-prima para a produção da droga, teve queda de 73%. A folha de coca tem perdido valor porque os traficantes não conseguem transportar a droga de países produtores para os principais mercados consumidores, os Estados Unidos e Europa.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

De acordo com o Drug Enforcement Administration (o DEA, ou Administração de Fiscalização de Drogas), órgão federal dos Estados Unidos de repressão ao narcotráfico, os cartéis foram afetados pela interrupção das viagens internacionais. Com o fechamento das fronteiras, os bandidos ficam impedidos de mover seus carregamentos seja por via aérea, terrestre ou marítima. 

Já na outra ponta da cadeia, onde estão os consumidores, há escassez. O pó que é produzido na América do Sul acaba ficando retido no continente. Como resultado, segundo o DEA, o preço do produto em algumas cidades americanas, como Miami, Atlanta e São Francisco, dobrou desde o início de 2020.

Continua após a publicidade

Responsável por movimentar 130 bilhões de dólares em vendas por ano, o sistema de produção de cocaína é globalizado. Por isso, de acordo com o DEA, traficantes sul-americanos que trabalham em laboratórios de produção também não têm conseguido importar outros ingredientes usados no refino do pó. Da Ásia, por exemplo, vem o permanganato de potássio, e da Venezuela traz-se a gasolina.

Os policiais federais do DEA detectaram que há grandes estoques presos na fronteira do México com os Estados Unidos. Eles acreditam que a demora na distribuição da droga deverá ter impacto financeiro mais severo nas em gangues menores.

Para os investigadores, cartéis de grande porte, como o mexicano Sinaloa, teriam capacidade de absorver melhor os prejuízos. O problema é que a fragilização dessas gangues poderia desencadear disputas por territórios, e piorar a violência que tanto assola o México.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês