Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coroa britânica nega pedido para repatriar corpo de príncipe etíope

Alemayehu foi capturado aos 7 anos pelo Exército britânico. Seus restos mortais foram sepultados em capela britânica e são alvo de disputa há 150 anos

Por Da Redação
Atualizado em 23 Maio 2023, 16h01 - Publicado em 23 Maio 2023, 15h38

Apesar dos constantes pedidos do governo da Etiópia, o Palácio de Buckingham recusou um novo pedido para devolver os restos mortais de um príncipe etíope, que foi sepultado no Castelo de Windsor, na Inglaterra, no século XIX. As informações foram divulgadas pela mídia local nesta terça-feira, 23.

Após o saqueamento da cidadela imperial da sua família, na Batalha de Maqdala, em 1868, Alemayehu foi capturado pelo Exército britânico aos 7 anos de idade, órfão após a morte de toda sua família.

A rainha Vitória teria, então, se interessado pelo menino e financiado a sua educação nas prestigiadas escolas de Rugby e de Sandhurst. Marcado por uma infância infeliz, contudo, o príncipe morreu aos 18 anos. Seu enterro também foi providenciado pela monarca.

“Queremos seus restos mortais de volta como família e como etíopes, porque esse não é o país em que ele nasceu”, reforçou um dos descendentes reais, Fasil Minas, à emissora britânica BBC.

Continua após a publicidade

+ Polícia britânica enfrenta críticas por prisões em protestos antimonarquia

Sepultados na Capela de São Jorge do Castelo, os restos mortais de Alemayehu têm sido alvo de disputas entre Reino Unido e Etiópia há cerca de 150 anos.

Em 2006, o então presidente etíope, Girma Wolde-Giorgis, escreveu à rainha Elizabeth para que o corpo fosse exumado. O pedido, no entanto, foi negado em comunicado que justificou: “Enquanto Sua Majestade era a favor do repatriamento […] não seria possível identificar os restos mortais do jovem príncipe Alemayehu”.

Continua após a publicidade

A ossada do jovem príncipe foi adicionada a um túmulo com outras nove, sendo impossível identificá-la corretamente, de acordo com a realeza britânica. Mesmo com a argumentação, o pedido foi refeito por diferentes frentes ao longo dos anos e endossado por figuras públicas, como o poeta britânico Lemn Sissay.

+ A França reabre o debate sobre a devolução de peças arqueológicas

Em um relatório enviado à BBC, a coroa britânica alega que retirar os restos mortais do membro da realeza etíope seria inviável sem que fossem afetados outros corpos situados em catacumbas na Capela. A realeza teria, ainda, “a responsabilidade de preservar a dignidade do falecido”.

Continua após a publicidade

“É muito improvável que seja possível exumar os restos mortais sem perturbar o local de descanso de um número substancial de outras pessoas nas proximidades”, disse o porta-voz do palácio.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.