Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Coreia do Norte vai enviar balões com panfletos de propaganda ao sul

Regime de Kim Jong-un interrompeu diálogo com a Coreia do Sul devido à distribuição de propaganda do sul ao norte; retaliação vem no mesmo formato

Por Da Redação 22 jun 2020, 17h32

A Coreia do Norte disse nesta segunda-feira, 22, que planeja enviar cerca de 12 milhões de panfletos de propaganda em balões à Coreia do Sul. A medida seria uma “retaliação” a ações semelhantes realizadas por ativistas norte coreanos que fugiram para o sul, em uma espécie de guerra de propaganda.

Depois de explodir o escritório de relações bilaterais, o regime liderado por Kim Jong-un anunciou na semana passada que iria interromper o diálogo com o país vizinho, remilitarizando a fronteira entre as Coreias, devido à distribuição de propaganda do sul ao norte. Segundo Pyongyang, o ato viola o pacto bilateral de 2018.

“Os preparativos para a distribuição mais ampla de folhetos até o momento estão quase completos”, disse a KCNA, agência estatal da Coreia do Norte, acrescentando que a iniciativa é “retaliar contra aqueles que lançaram um insulto intolerável” contra a Coreia do Norte e “fazê-los pagar pelo crime”. O veículo oficial do regime comunista relata ainda “a raiva e o ódio” do povo norte-coreano e informa que o país preparou “vários tipos de equipamentos” para espalhar a propaganda no território sul-coreano, incluindo cerca de três mil balões. No entanto, a agência não especificou para quando está planejada a ação.

No início de junho, um grupo chamado Defensores de uma Coreia do Norte Livre, organização não governamental composta por asilados do norte, enviou meio milhão de folhetos em balões para a Coreia de Kim.

Continua após a publicidade

Fontes militares sul-coreanas informaram que a Coréia do Norte também está restabelecendo os alto-falantes de propaganda na fronteira, retirados após o acordo alcançado na cúpula bilateral de 2018.

Em resposta, Seul está considerando a opção de reinstalar seus próprios alto-falantes.

A guerra de propaganda tornou-se mais um pretexto para o norte pressionar Seul. Kim Jong-un tem demonstrado irritação desde que as tentativas de aproximação com os Estados Unidos fracassaram. A Coreia do Norte não aceitou colocar fim ao seu programa nuclear e as sanções econômicas impostas pelo governo americano e pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas foram mantidas, impedindo o país de importar produtos sul-coreanos e de se integrar economicamente.

Ao endurecer as relações novamente, Kim forçaria o  presidente sul coreano, Moon Jae-in, a cooperar diretamente com a Coréia do Norte em uma nova tentativa de contornar as sanções.

(Com EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês