Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Coreia do Norte realiza seu maior teste nuclear

A explosão, no dia da comemoração dos 68 anos da fundação da Coreia do Norte, foi mais poderosa que a bomba detonada em Hiroshima, na II Guerra Mundial

Por Da redação - Atualizado em 9 set 2016, 16h43 - Publicado em 9 set 2016, 08h03

A Coreia do Norte realizou seu quinto e maior teste nuclear nesta sexta-feira e informou ter dominado a habilidade de montar uma ogiva em um míssil balístico. O teste aumenta a instabilidade na Ásia e preocupa os países da região, sobretudo Coreia do Sul, China e Japão. Estados Unidos, Rússia e a Organização das Nações Unidas (ONU) também condenaram o teste nuclear.

A explosão, no dia da comemoração dos 68 anos da fundação da Coreia do Norte, foi mais poderosa que a bomba detonada em Hiroshima, de acordo com estimativas do Ministério de Defesa da Coreia do Sul, que monitora as atividades militares de Pyongyang. A explosão foi tão forte que provocou um terremoto artificial de 5 graus na escala Richter no nordeste da Coreia do Norte, local do teste.

Leia também
Coreia do Norte ignora G20 na China e dispara mísseis na Ásia
Coreia do Norte executa oficiais por “ameaça” a Kim Jong-un
Coreia do Norte ameaça ‘reduzir a cinzas’ forças dos EUA

Sob o ditador Kim Jong-un,  a Coreia do Norte acelerou o desenvolvimento de seu programa nuclear e de mísseis apesar de sanções da ONU, que foram endurecidas em março e isolaram mais ainda o país.

Críticas — A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, no Laos após cúpula de líderes asiáticos, disse que Kim está mostrando um “atrevimento maníaco” ao ignorar completamente o pedido do mundo para abandonar a busca por armamentos nucleares. O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e o secretário de Estado americano, John Kerry, também expressaram preocupação com o teste nuclear.

Publicidade

Kerry disse esperar que o presidente dos EUA, Barack Obama, fale sobre a questão nesta sexta e disse que haverá conversas na ONU. “Estamos tentando monitorar para descobrir precisamente o que aconteceu”, disse Kerry.

(Com agências Reuters e EFE)

Publicidade