Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Coreia do Norte executou responsável por reunião com EUA, diz jornal

Segundo publicação sul-coreana, medida foi tomada depois do fracasso da cúpula. Outro envolvido nas negociações foi enviada a campo de trabalhos forçados

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 19h46 - Publicado em 31 Maio 2019, 09h37

A Coreia do Norte executou o ex-encarregado das negociações para a segunda reunião de cúpula entre o país e os Estados Unidos, após o fracasso do encontro, informou nesta sexta-feira, 31, o jornal sul-coreano Chosun.

Kim Hyok-chol foi supostamente executado por sua responsabilidade no fracasso da reunião realizada em fevereiro passado em Hanói entre o ditador norte-coreano Kim Jong-un e o presidente americano Donald Trump, segundo disseram ao jornal fontes de Pyongyang, que não quiseram se identificar.

Além de atuar nos diálogos com os Estados Unidos, Hyok-chol havia servido como embaixador da Coreia do Norte na Espanha.

O mesmo jornal afirmou ainda que o regime também puniu outra figura importante nas negociações com Washington, Kim Yong-chol. Ele teria sido enviado a um campo de trabalhos forçados e “reeducação ideológica”.

Kim Yong-chol era o vice-presidente do Partido dos Trabalhadores da Coreia e foi um dos responsáveis por dar início aos diálogos entre Washington e Pyongyang. Ele foi recebido por Trump na Casa Branca em junho de 2018, pouco antes do primeiro encontro do americano com Kim Jong-un.

O escritório da Presidência sul-coreana não quis comentar o caso e em entrevista coletiva seu porta-voz, Ko Min-jung, disse que “seria inadequado tirar conclusões precipitadas sobre informações que ainda estão por serem confirmadas”.

Os meios oficiais do regime de Pyongyang não fizeram nenhuma alusão recente a Kim Hyok-chol nem a Kim Yong-chol. No entanto, o jornal estatal norte-coreano Rodong Sinmun publicou um artigo na quinta-feira 30 que citava “traidores que não poderão evitar o severo julgamento da revolução”.

Continua após a publicidade

Sem mencionar nomes, o jornal oficial do Partido dos Trabalhadores informou que certas pessoas “agiam de uma forma e reverenciavam o líder na sua presença e sonhavam com outra coisa pelas costas”.

A suposta execução de Kim Hyok-chol teria acontecido um mês depois da reunião realizada no fim de fevereiro no Vietnã, informou o jornal sul-coreano, que também afirma que foi ordenada diretamente pelo “líder supremo”, o ditador Kim Jong-un.

A reportagem informa que Kim foi baleado no Aeroporto de Mirim, controlado pela Força Aérea da Coreia do Norte. Ele teria sido atingido junto com mais quatro norte-coreanos de altos cargos no regime acusados de espionagem para os Estados Unidos.

Segundo as fontes do Chosun, Kim Jong-un decidiu, além disso, afastar temporariamente de suas funções sua própria irmã e estreita colaboradora em seus encontros com Trump e com outros líderes estrangeiros, Kim Yo-jong.

Kim Hyok-chol liderou a primeira delegação da Coreia do Norte na Espanha desde que abriu suas portas em Madri em janeiro de 2014 até 2017, quando o governo espanhol o expulsou em resposta aos testes nucleares e de mísseis de Pyongyang.

O ex-enviado especial do regime não apareceu em outros atos oficiais desde a reunião de Hanói, na qual Coreia do Norte e Estados Unidos não foram capazes de fechar um acordo sobre o processo de desnuclearização.

Além disso, nem a irmã do ditador nem Kim Yong-chol fizeram parte da comitiva que acompanhou Kim em sua viagem a Vladivostok, na Rússia, no fim de abril para se reunir com o presidente Vladimir Putin.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)