Clique e assine a partir de 9,90/mês

Confrontos entre manifestantes e polícia em greve geral no Chile

Por Martin Bernetti - 24 ago 2011, 12h10

Confrontos entre manifestantes e a polícia foram registrados nesta quarta-feira em vários pontos de Santiago, durante a paralisação nacional de 48 horas convocada pela maior central sindical do Chile, que tem o apoio dos sindicatos dos professores e dos estudantes.

Com uma ampla gama de exigências, a greve geral de 48 horas é a primeira enfrentada pelo presidente Sebastián Piñera em 17 meses de governo.

Em pelo menos três pontos da cidade, a polícia teve que usar jatos d’água e bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes que tentavam bloquear o trânsito.

No centro de Santiago, policiais enfrentaram homens encapuzados que ergueram barricadas diante da Universidade do Chile. Outros grupos enfrentaram as forças de segurança em Ñuñoa e na zona sul da cidade.

Continua após a publicidade

No início da manhã, a avenida Alameda, principal via da capital, teve o tráfego interrompido por vários minutos em diversos pontos por manifestações de pequenos grupos de estudantes e trabalhadores.

Os bloqueios alteraram os trajetos percorridos por muitas pessoas, mas não conseguiram paralisar a cidade de mais de seis milhões de habitantes, onde o metrô e os ônibus urbanos funcionavam de maneira normal, segundo o ministro dos Transportes, Pedro Pablo Errázuriz.

“O governo está empenhado em aparentar normalidade, quando todo o país sabe que o país não está normal hoje”, afirmou Arturo Martínez, presidente da Central Unitária de Trabalhadores (CUT), o maior sindicato do país, que reúne 10% da força de trabalho e convocou a mobilização.

A manifestação tem o apoio de estudantes e professores, que há três meses protestam por uma educação pública gratuita e de maior qualidade.

Publicidade