Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chefes de Estado marcham de braços dados junto à multidão em Paris

Junto ao presidente francês François Hollande, líderes mundiais como a alemã Angela Merkel, o britânico David Cameron, o israelense Benjamin Netanyahu e o palestino Amhmoud Abbas acompanharam em silêncio a manifestação história na capital francesa

Ao lado do presidente francês François Hollande, cerca de 60 autoridades internacionais marcharam de braços dados junto à multidão que toma as ruas de Paris neste domingo. A chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o secretário de Justiça dos Estados Unidos, Erik Holder, o ministro russo de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, estão entre os líderes que caminharam por cerca de 200 metros à frente do ato. Ao fim da caminhada, as autoridades fizeram um minuto de silêncio em homenagem às dezessete vítimas dos atentados que abateram a França nos últimos dias e a favor da liberdade de expressão.

Em seguida, intensamente aplaudidos pelas pessoas que invadiram as ruas da região central da capital francesa, Hollande cumprimentou todas as autoridades e parentes das vítimas. Logo após, o presidente francês e as autoridades deixaram a marcha e seguiram para o Palácio do Eliseu. Sessenta países enviaram representantes para a capital francesa. O representante brasileiro, o embaixador brasileiro na França, José Bustani, seria o representante de Dilma Rousseff na marcha.

Leia também:

Milhares estão reunidos para grande manifestação em Paris

Milhares de pessoas vão às ruas em cidades francesas

Cerca de 1 milhão de pessoas devem participar do evento, o que fará da marcha um dos maiores eventos na cidade em décadas. As autoridades francesas estão adotando medidas “excepcionais” para gerenciar a multidão e garantir a segurança dos líderes estrangeiros. A circulação de veículos não será permitida em grandes áreas da cidade e as linhas de metrô serão fechadas.

(Com Estadão Conteúdo)