Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Chanceler venezuelano é recebido no Brasil e critica imprensa

Elías Jaua viaja por países da região em busca de respaldo a Maduro, enquanto manifestantes são reprimidos durante protestos contra o governo

Por Da Redação 28 fev 2014, 15h27

Depois de a presidente Dilma Rousseff dizer que não cabe ao Brasil discutir o que a Venezuela deve fazer, o chanceler Elías Jaua visitou Brasília e foi recebido pelo ministro Luiz Alberto Figueiredo. Jaua iniciou esta semana uma série de visitas a países da região em busca de endosso ao governo de Nicolás Maduro, enquanto o herdeiro de Hugo Chávez aumenta a repressão contra opositores.

Saiba mais:

Supermercado estatal é o retrato da falência da Venezuela

Maduro começa a perder apoio entre os mais pobres

Casos de tortura são relatados em meio a repressão na Venezuela

Centro de emergências vê entrada de pacientes disparar após

O Itamaraty divulgou uma nota em que diz que o objetivo da visita foi “apresentar elementos atualizados sobre a situação interna na Venezuela” e que Jaua ressaltou “o empenho do presidente Nicolás Maduro na promoção de um diálogo nacional” – diálogo, a propósito, que foi rechaçado pela oposição, para quem as propostas não passam de jogo de cena.

Continua após a publicidade

“Ao agradecer a gentileza da visita e as informações prestadas, o ministro Figueiredo manifestou a confiança de que, pela via do diálogo e do respeito ao ordenamento institucional, a Venezuela resguardará a ordem democrática e o Estado de direito, atendendo aos anseios do povo venezuelano e de seu governo de seguir seu desenvolvimento com estabilidade política e paz”, diz a nota distribuída pelo Itamaraty.

Reinaldo Azevedo: A fala indecorosa de Dilma sobre a Venezuela

Caio Blinder: Passarinhos & Avestruzes (Venezuela & Ucrânia)

A nota reforça a insistência do governo Dilma em fechar os olhos para o que de fato acontece no país vizinho, onde o chavismo anulou a independência das instituições, estrangulou a imprensa e tomou um rumo oposto ao do desenvolvimento. A situação levou centenas de milhares de pessoas a saírem às ruas para protestar, mobilização duramente reprimida por grupos armados que agem com o aval da cúpula chavista. Desde o dia 12 deste mês, quando os protestos se intensificaram, pelo menos quinze pessoas foram mortas.

Augusto Nunes: A diferença entre um democrata corajoso de uma cúmplice do capataz da Venezuela

Para Jaua, no entanto, a repressão brutal não passa de invenção da imprensa internacional. “A sociedade venezuelana enfrenta o fascismo. Aí vem a cobertura da imprensa internacional. As grandes redes do mundo se articulam para mostrar que na Venezuela há um Estado que está exercendo uma repressão brutal e causando dezenas de mortes”, disse, segundo o jornal El Universal.

Unasul – Antes de viajar ao Brasil, na noite de quinta, Jaua passou por Buenos Aires e agradeceu “o apoio firme, decidido e sem ambiguidades da presidente, de seu governo e da maioria do povo argentino”. Na Argentina, o chanceler foi recebido por Cristina Kirchner, que respaldou as ações tomadas diante da crise e apoiou a iniciativa de realizar uma reunião da Unasul para ampliar este respaldo e fortalecer Maduro.

Continua após a publicidade

Publicidade