Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Campanha começa com devaneios de Maduro e “esperança” da oposição

Disputa presidencial começou oficialmente nesta terça. Eleição será no dia 14

O período oficial de campanha eleitoral na Venezuela começou nesta terça-feira, apesar de os dois principais candidatos, o presidente interino Nicolás Maduro e o oposicionista Henrique Capriles já estarem atrás de votos desde a morte de Hugo Chávez, anunciada no dia 5 de março. Os dois candidatos prometeram percorrer os 23 estados da Venezuela nos próximos dez dias. As eleições estão marcadas para 14 de abril.

Logo na largada, devaneios do oficialista, que fez seu primeiro ato eleitoral em Sabaneta, no estado de Barinas, terra natal do coronel. Maduro disse que Hugo Chávez apareceu para ele na forma de um “passarinho” enquanto rezava em uma pequena capela da cidade. “Eu o senti ali como se tivesse nos dando uma benção, dizendo: ‘hoje começa a batalha. Vamos para a vitória, você tem a nossa benção’. Eu senti isso em minha alma”.

Augusto Nunes: O vídeo de Lula a favor de Maduro

Mais tarde, criticado por sua declaração, o presidente interino reagiu e pediu respeito à burguesia. “São ridículos. Respeitem senhores, respeitem a espiritualidade e o amor que nos move”. Maduro disse ainda que sua candidatura nasce “de uma ordem do comandante supremo”.

Leia mais:

Capriles bate em tecla antiga e condena uso da máquina por Maduro

Chavistas usarão poder absoluto para vencer, dizem analistas

Oposição – A oposição, encabeçada por Henrique Capriles, adotou um discurso de incentivo e esperança aos eleitores. Em Maturín, no estado de Monagas, o candidato da coalizão Mesa da Unidade Democrática prometeu “esperança e valentia” contra um governo que fará tudo para se perpetuar no poder. “Aqui há esperança, há fé, mas também há valentia”.

Ele destacou que a oposição não tem a seu favor os poderes públicos, mas conta com o respaldo dos venezuelanos. “Não temos CNE, não temos TSJ (…), não temos dinheiro da PDVSA, mas temos a força deste povo”, disse, citando o Conselho Nacional Eleitoral, o Tribunal Superior de Justiça e a estatal petrolífera do país, órgãos dominados pelo oficialismo.

“Eu não sou a oposição, eu sou a solução dos problemas que a Venezuela vive, mas sozinho, não posso nada, preciso de cada um de vocês”, acrescentou Capriles

Capriles ressaltou ainda a necessidade de derrotar a mentira e citou Simón Bolívar, herói da independência da Venezuela. “A verdade pura e limpa é o melhor modo de persuadir”.

Em uma eleição que deverá ser influenciada pelo clima de luto no país, Maduro sai favorecido na disputa. As pesquisas divulgadas até agora, incluindo uma atribuída ao instituto Datanálisis, mostram o governista com mais de 10 pontos percentuais de vantagem. A oposição, no entanto, considera difícil ter uma “fotografia nítida” das intenções de voto neste momento.

(Com agência France-Presse)