Boris Johnson: ‘Nada irá mudar em curto prazo no Reino Unido após Brexit’

"É vital destacar que agora não há necessidade para pressa e de fato, como o primeiro-ministro disse, nada irá mudar no curto prazo", afirmou o líder do movimento do 'brexit'

Por Da Redação - 24 jun 2016, 09h10

O ex-prefeito de Londres, Boris Johnson, um dos líderes do movimento pela saída britânica da União Europeia (UE), disse que nada irá mudar no curto prazo após o resultado da votação favorável ao Brexit (saída britânica). Johnson ainda afirmou que o Reino Unido continuará sendo uma potência europeia, mesmo afastada do bloco econômico. Ele ainda elogiou Cameron, dizendo que o primeiro-ministro é um “homem corajoso e de princípios” e um “dos mais extraordinários políticos da nossa época”. Johnson, que também é do Partido Conservador, é cotado como favorito para substituir David Cameron como primeiro-ministro britânico em outubro.

“Tendo votado para deixar a UE, é vital destacar que agora não há necessidade para pressa e de fato, como o primeiro-ministro disse, nada irá mudar no curto prazo”, disse Johnson a repórteres nesta sexta-feira. Segundo o ex-prefeito, no futuro, o Reino Unido vai se beneficiar do voto pela saída. “Podemos encontrar nossa voz no mundo novamente, uma voz que é proporcional a quinta maior economia da Terra”, disse. “Acredito que temos uma oportunidade gloriosa: podemos aprovar nossas leis e ajustar nossos impostos de acordo com a necessidade da economia do Reino Unido.”

Leia também:

Reino Unido decide pela saída da União Europeia

Publicidade

Entenda as consequências políticas da saída do Reino Unido da UE

Brexit, um divórcio complicado e repleto de incertezas econômicas

Votação – Em decisão histórica, o Reino Unido optou por deixar a União Europeia (UE) em referendo realizado na quinta-feira. Com 52% dos votos, os britânicos votaram pelo Brexit, a saída do bloco, contra 48% para a permanência na UE. Em Londres, a preferência por continuar na UE venceu com 60% dos votos e Johnson foi vaiado em seu local de votação.

(Com ANSA e Reuters)

Publicidade