Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Boris Johnson enfrenta pressão por renúncia após multa por violar lei

Primeiro-ministro britânico e o chanceler Rishi Sunak foram multados por terem participado de festas em meio ao lockdown

Por Da Redação Atualizado em 13 abr 2022, 12h05 - Publicado em 13 abr 2022, 12h04

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e o chanceler Rishi Sunak estão enfrentando a pressão da oposição para renunciarem às suas posições no parlamento britânico. Os dois foram multados por terem participado de festas durante o período em que o lockdown estava em vigor no país.

Apesar de ter se desculpado por ter violado a lei, o primeiro-ministro declarou que não vai ceder à pressões de renúncia e disse a repórteres que pretende “continuar com o trabalho”. Rishi Sunak também rejeitou o pedido e afirmou que estava focado em servir ao povo britânico.

+ Ser rico demais atrapalha a carreira política? O caso de Rishi Sunak

Os parlamentares estão sendo acusados de ter participado de festas regadas a álcool na residência oficial do governo britânico, Downing Street. As reuniões teriam acontecido em junho de 2020, período mais rígido das restrições à Covid-19 no Reino Unido.

As revelações sobre as reuniões trouxeram uma enxurrada de críticas a Boris Johnson, que se tornou o primeiro primeiro-ministro em exercício do Reino Unido a ser multado por violar a lei. As multas fazem parte de uma investigação da Polícia Metropolitana sobre todas as festas ilegais realizadas durante os bloqueios da Covid-19 em 2020 e 2021. 

O escândalo gerou grande repercussão entre os partidos de oposição e também de membros do próprio Partido Conservador do primeiro-ministro. Além disso, os primeiros ministros da Escócia e do País de Gales exigiram que Johnson e Sunak renunciassem. 

Os acusados também estão enfrentando pressão popular. Um grupo que representa famílias de vítimas da Covid-19 classificou a conduta dos políticos como “verdadeiramente vergonhosa” e afirmaram que as atitudes do primeiro-ministro tornaram o luto mais doloroso.

Contudo, Boris Johnson e Rishi Sunak ainda contam com apoiadores em seus gabinetes. A secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, disse que os parlamentares estavam “se comprometendo com o Reino Unido em muitas frentes”. O secretário de Transportes, Grant Shapps, afirmou em entrevista à BBC que “todo mundo é humano” e “as pessoas cometem erros”.

O relatório completo sobre o caso será divulgado quando a Polícia Metropolitana concluir a investigação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)