Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Boris Johnson será multado por festas durante lockdown no Reino Unido

O premiê britânico foi acusado de realizar 17 festas, incluindo seu aniversário, no período mais restritivo da Covid-19 no país

Por Da Redação
Atualizado em 12 abr 2022, 16h08 - Publicado em 12 abr 2022, 10h21

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, foi informado nesta terça-feira (12) que será multado pela polícia por realizar festas durante o período mais restritivo do lockdown no país.

O ministro do Tesouro, Rishi Sunak, também receberá multa pelos eventos realizados em Downing Street, segundo um porta-voz do governo que conversou com a CNN americana.

O premiê foi acusado de realizar dezessete festas a portas fechadas, com direito muita bebida, sendo que uma delas era para comemorar seu aniversário. Enquanto isso, o resto da sociedade vivia em rigoroso lockdown durante o período mais duro da pandemia de Covid-19.

Johnson alegou que imaginava se tratar de um “encontro de trabalho” e que, é verdade, “não seguiu devidamente as regras”.

Um relatório de investigação de 12 páginas, feito sob comando da servidora pública Sue Gray, apontou “falhas de liderança e julgamento” de Johnson. Segundo Dominic Cummings, ex-conselheiro do premiê, ele teria faltado com a verdade quando disse que uma das festas que participou se tratava, na verdade, de uma reunião de trabalho.

Continua após a publicidade

Desculpas e consequências

Após a divulgação da punição, Boris Johnson fez um pronunciamento de sua residência em Chequers, dizendo-se arrependido pelo comportamento.

“Hoje recebi um aviso de multa da Polícia Metropolitana relacionada a um evento em Downing Street em 19 de junho de 2020. Deixe-me dizer imediatamente que paguei a multa e, mais uma vez, peço desculpas”, afirmou o premiê. Sunak também já pagou a multa pelo escândalo apelidado de “Partygate“.

No entanto, o pedido de desculpas não desceu bem para a população britânica. O movimento Covid-19 Bereaved Families for Justice (Famílias Enlutadas pelo Covid-19 pela Justiça, em tradução livre) publicaram uma carta aberta afirmando que simplesmente pagar uma multa não é o suficiente.

“Você violou leis destinadas a nos manter seguros. Você pisou nos sacrifícios que nós e todo o povo britânico fizemos. Você pagou uma multa. Nossos entes queridos pagaram com suas vidas”, escreveu o movimento.

Continua após a publicidade

As multas trazem à tona novamente a discussão sobre se Johnson ou Sunak terão que renunciar aos seus cargos. De acordo com a oposição, liderada pelo Partido Trabalhista britânico – sim.

O argumento é que ambos negaram categoricamente na Câmara dos Comuns que violaram quaisquer regras e, assim, enganaram o parlamento. Isso se configura como uma violação do código ministerial, suficiente para justificar suas demissões.

No entanto, parece haver pouco interesse imediato entre os parlamentares governistas para substituir Johnson. Em parte, por causa da guerra na Ucrânia, mas também porque a imagem de seu substituto mais provável, Sunak, também está prejudicada pelo escândalo.

O futuro do governo do Reino Unido é incerto. Mas, como esse é um acontecimento político sem precedentes, a história pode mudar de uma hora para a outra.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.