Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Boko Haram sequestra 91 pessoas na Nigéria

Pelos menos 60 vítimas são mulheres e crianças. O novo ataque terrorista também deixou trinta mortos em aldeias do estado de Borno, no norte do país

Pelo menos 91 pessoas, entre elas sessenta mulheres e meninas, foram sequestradas no nordeste da Nigéria por membros da seita radical islâmica Boko Haram, que mantém mais de 200 menores detidas desde abril, informaram nesta terça-feira as autoridades locais. O grupo terrorista realizou o novo sequestro durante uma série de ataques feitos entre a quinta-feira e domingo passados em várias localidades isoladas do estado de Borno.

Segundo o porta-voz da milícia local organizada para defender-se do Boko Haram, Aji Khalil, “as pessoas foram sequestradas nas cidades de Kummabza, Yaga e Dagu, todas elas na demarcação de Damboa, no estado de Borno”. A cidade de Damboa fica a cerca de 100 quilômetros da capital de Borno, Maiduguri.

Leia também

Após atentado, polícia nigeriana pede aos torcedores que acompanhem Copa em casa

Explosão em cinema durante jogo do Brasil mata 21

Boko Haram exige 800 vacas para libertar 20 mulheres sequestradas

No ataque terrorista também morreram pelo menos trinta residentes que tentaram escapar e foram baleados, acrescentou Khalil. Já o porta-voz da polícia de Borno, Gideon Jubrin, disse não saber do sequestro. “A delegacia não recebeu nenhum relatório sobre um sequestro de mulheres ou meninas, mas continuaremos investigando se conseguimos algo”, declarou o agente.

Em 14 de abril, a milícia Boko Haram sequestrou mais de 200 meninas da escola de Chibok, também no estado de Borno. Mesmo depois de forte pressão dos países ocidentais e da ajuda de aviões americanos e satélites europeus, a maioria das garotas raptadas continua em paradeiro desconhecido pelas autoridades.

Saiba mais:

Boko Haram, o terror que ameaça a maior economia da África

Na língua hauçá, falada na Nigéria, Boko Haram significa “falsidade é pecado”. Quando o governo colonial inglês começou a replicar suas instituições no país, os emires e os integrantes da elite nigeriana reagiram rotulando tudo o que não estivesse ligado ao islamismo como fraude, vergonha, “boko”. O termo era aplicado a toda educação não corânica, como aulas de geografia e de química. O grupo extremista se apropriou do termo para pregar que a ‘educação ocidental é pacado’. Os extremistas lutam para impor um Estado islâmico na Nigéria, país de maioria muçulmana no norte e predominantemente cristã no sul.

(Com agência EFE)