Clique e assine a partir de 8,90/mês

Boko Haram divulga vídeo com decapitações de acusados de espionagem

Vídeo mostra os corpos de dois homens identificados como espiões. Edição tem semelhanças com gravações feitas pelo Estado Islâmico

Por Da Redação - 2 mar 2015, 20h13

O grupo terrorista Boko Haram publicou um vídeo nas redes sociais nesta segunda-feira mostrando os corpos de dois homens decapitados. Segundo o grupo de inteligência SITE, que monitora atividades terroristas na internet, o vídeo tem características semelhantes às verificadas em gravações divulgadas pelo Estado Islâmico, como o som de batidas do coração e respiração ofegante nos momentos que antecedem a selvageria das execuções. O momento das decapitações não é mostrado, mas sim as cabeças sobre os corpos.

Leia também:

Novo ataque com criança-bomba deixa sete mortos

EUA vão fornecer tecnologia para luta contra o Boko Haram

Boko Haram mata 100 civis e deixa 500 feridos em Camarões

Na gravação, intitulada ‘Colheita de Espiões, um homem é identificado como Dawoud Muhammad, da cidade de Baga, na Nigéria. Ele aparece de joelhos diante de vários homens mascarados e armados. E afirma que um policial lhe deu 25 para que espionasse o grupo e prometeu fazê-lo tão rico que ele nunca mais teria de trabalhar como fazendeiro. O outro homem executado foi identificado como Muhammad Awlu.

Continua após a publicidade

Estas não foram as primeiras decapitações gravadas e divulgadas pelo grupo jihadista nigeriano. Um piloto de caça cujo avião desapareceu em setembro também foi vítima da barbárie do Boko Haram que, em fevereiro, anunciou sua intenção de jurar lealdade ao Estado Islâmico. Há vários outros relatos de execuções nas áreas invadidas pelos jihadistas.

Leia mais:

Paródia com EI protagonizada por Dakota Johnson atrai críticas

Estado Islâmico vende, crucifica e enterra crianças vivas no Iraque

Assim como o grupo que controla parte dos territórios do Iraque e da Síria, o Boko Haram também pretende implantar um califado na Nigéria. Em novembro, os extremistas declararam um califado na cidade de Mubi, no nordeste do país. Segundo o Council on Foreign Affairs, o grupo foi responsável pela morte de 10.000 pessoas no ano passado.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade