Clique e assine com 88% de desconto

Bogotá elege primeira prefeita mulher e LGBT

Ex-guerrilheiro também fez história ao se eleger prefeito do município de Turbaco, no norte da Colômbia

Por Da Redação - Atualizado em 28 out 2019, 11h23 - Publicado em 28 out 2019, 11h19

A ex-senadora Claudia López venceu a eleição para a prefeitura de Bogotá, na Colômbia neste domingo 27, e será a primeira mulher a ocupar o cargo. Ela também será a primeira lésbica a comandar a capital colombiana.

López, de 49 anos, obteve 35,23% dos votos em uma disputa apertada com o liberal Carlos Fernando Galán (32,47%), após a apuração de 99,41% das urnas.

Com um beijo afetuoso em sua companheira, a senadora Angélica Lozano, López comemorou a vitória, enquanto um pequeno grupo de simpatizantes cantava “Claudia, prefeita de Bogotá”. “Mudamos a história!”, disse.

A cidade votou para que “desaprendamos o machismo, o racismo, o classismo, a homofobia e a xenofobia”, declarou López, debaixo de uma chuva de papel picado e sob aplausos de seus seguidores reunidos em um auditório privado.

Publicidade

A vitória de López abre uma nova página em um país onde historicamente governam homens das elites conservadora e liberal. Ela vai assumir o cargo em 1º de janeiro para comandar uma capital de 7,2 milhões de habitantes, sufocada por problemas de mobilidade e alta percepção de insegurança.

Conhecida por seu temperamento explosivo e sua disciplina, a prefeita eleita impulsionou sem sucesso, em 2018, uma consulta popular contra a corrupção na política. Como acadêmica, investigou o chamado fenômeno da parapolítica: a aliança de líderes públicos com sanguinários grupos de ultradireita, o que a forçou a buscar o exílio.

Publicidade

Também é conhecida pela veemente oposição à direita que governa a Colômbia há pouco mais de um ano, com o presidente Iván Duque à frente.

“Ser mulher não é um defeito, ser uma mulher de caráter, firme (…) não é um defeito. Ser gay não é um defeito, ser filha de uma família humilde não é um defeito”, disse em entrevista na semana passada.

Apesar de incidentes em alguns dos mais de 11.000 pontos de votação no país, a eleição foi uma das mais pacífica dos últimos tempos, segundo as autoridades.

“Foram as eleições regionais mais pacíficas dos últimos anos”, disse Juan Carlos Galindo, diretor do Registro Nacional, chefe do organismo encarregado de organizar as eleições.

Publicidade

Cerca de 36,6 milhões de pessoas estavam aptas a votar no pleito regional, em que foram eleitos 32 governadores, mais de 1.000 prefeitos e 2.000 representantes de assembleias departamentais e municipais.

Os colombianos – segundo Galindo – praticamente puderam votar em todos os postos habilitados nas primeiras eleições regionais organizadas desde o acordo de paz com a ex-guerrilha das Farc, em 2016.

Ex-combatente é eleito prefeito

Ex-guerrilheiro das Farc Julián Conrado, conhecido como “o cantor das Farc”, foi eleito prefeito de Turbaco – 01/05/2017 RAUL ARBOLEDA/AFP

Um ex-guerrilheiro conhecido como “o cantor das Farc” se tornou o primeiro ex-combatente eleito prefeito na Colômbia, desde o acordo de paz.

Guillermo Torres, de 65 anos, elegeu-se para a prefeitura do município de Turbaco, no departamento (estado) de Bolívar, um dos mais castigados pelo conflito armado no norte da Colômbia.

Publicidade

Também conhecido como Julián Conrado, o ex-combatente venceu com 50,11% dos votos contra 31,89% de seu principal adversário, segundo a autoridade eleitoral.

No entanto, sua vitória não pode ser atribuída à Força Alternativa Revolucionária do Comum (Farc), partido egresso dos acordos de paz que resultaram no desarmamento de 7.000 guerrilheiros marxistas, já que cTorres oncorreu pela coalizão Partido Colômbia Humana – União Patriótica.

Trinta e seis milhões de colombianos foram convocados a eleger 32 governadores, pouco mais de 1.100 prefeitos e milhares de legisladores regionais, como deputados e vereadores.

Além da violência, a corrupção – expressa na falta de transparência no financiamento das campanhas, na compra de votos e na interferência indevida de funcionários – era apontada por analistas como uma das máculas destas eleições

Publicidade

(Com AFP)

Publicidade