Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Autor de livro que revelou cartas secretas do papa Bento XVI garante: há vontade de ‘limpeza’ no Vaticano

O jornalista italiano Gianluigi Nuzzi disse que seu livro 'Sua Santidade, as Cartas Secretas de Bento XVI' não é 'contra a Igreja, contra a fé ou o santo padre'

Por Da Redação - 23 maio 2012, 17h58

A revelação de uma centena de cartas e documentos confidenciais enviados para o papa Bento XVI sobre questões internas demonstra a “vontade de limpeza” dentro do Vaticano, segundo o jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, autor do livro Sua Santidade, as Cartas Secretas de Bento XVI.

Lançado no final de semana, o livro descreve manobras e confabulações dentro do Vaticano. Também inclui relatórios internos enviados ao papa sobre políticos italianos, como Silvio Berlusconi e o presidente da República Giorgio Napolitano.

A suspeita é que Nuzzi obteve os documentos por meio de funcionários da Secretaria de Estado. Isso porque alguns levam o selo “Reservado” do orgão. O vazamento causou irritação e espanto no Vaticano.

“Há uma vontade de limpeza”, afirma o jornalista. “Todos confiam no santo padre” e sofrem por ter “violado a obrigação de manter o segredo”, diz.

Publicidade

Leia também:

Leia também: Papa cria comissão para investigar ‘vatileaks’

Nuzzi garante não ter pago a ninguém nem um euro para obter essas cartas. “Não é um livro contra a Igreja, a fé ou o santo padre”, enfatizou Nuzzi. Apesar das declarações, o Vaticano anunciou que vai acionar legalmente o que qualificou de crime.

(Com agência AFP)

Publicidade