Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Atirador do Wisconsin tinha problemas com álcool, afirma jornal

Segundo o 'Washington Post', o acusado do tiroteio, Wade Michael Page, foi expulso do Exército por estar embriagado durante exercícios militares

O acusado de ser o atirador que matou seis fieis em um templo da religião sikh, no Wisconsin, Wade Michael Page, tinha um histórico de problemas com álcool, que o levou a ser expulso do exército e, recentemente, perder um emprego de caminhoneiro, divulgou o jornal Washington Post. Page foi morto a tiros após sair da igreja por um policial.

Page, de 40 anos, foi dispensado do exército em 1998 depois de ser encontrado embriagado durante exercícios militares, de acordo com as autoridades policiais. Um ano depois foi condenado, no Colorado, por dirigir alcoolizado. Em 2000, Page vendeu tudo o que possuía e partiu de motocicleta do Colorado para se estabeleceu na zona rural da Carolina do Norte.

Leia também:

Leia também: Índia pede garantias aos EUA após ataque contra sikhs

Em 2010, ele foi demitido de uma companhia de transporte após ser preso na Carolina do Norte, sob efeito de álcool, dirigindo um caminhão. Depois de perder o emprego, Page aparentemente teve problemas financeiros. Registros públicos mostram que a sua casa, em uma área rural de Fayetteville, no mesmo estado, teve a hipoteca encerrada em janeiro. Ele havia comprado a casa por 165 mil dólares em 2007, havia refinanciado a hipoteca dois anos depois e estava com vários meses de pagamento atrasado.

Os investigadores estão trabalhando para determinar o motivo de Page para efetuar o tiroteio, que, além de seis mortos, deixou outros três feridos, entre eles um policial. Além da aparente luta contra o álcool e o problema com as finanças pessoais, Page era um músico bastante reconhecido na cena musical da “supremacia branca” e estava sob a vigilância de grupos anti-ódio como o Southern Poverty Law Center, que afirmou que o rastreava havia mais de uma década.