Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Atentado mata 16 pessoas em restaurante na Somália

Grupo islamita Al Shabaab assumiu a autoria do crime. Os alvos eram soldados da tropa africana que combatem o terrorismo

Um ataque feito por um homem-bomba matou pelo menos 16 pessoas em um café na cidade de Baladweyne, na Somália, perto da fronteira com a Etiópia. O café costuma ser frequentado por soldados locais e estrangeiros que lutam contra rebeldes ligados a Al Qaeda. O grupo terrorista Al Shabaab assumiu a responsabilidade pelo atentado.

“Um homem com uma jaqueta de explosivos entrou inesperadamente na loja de chá, onde soldados e civis se sentavam e se explodiu”, narrou Ahmed Nur, um idoso que estava no local. Há 33 pessoas feridas.

EUA capturam chefe do grupo Al Shabab na Somália

Alvo dos EUA na Somália tramou ataque no Quênia, segundo relatório

Forças somalianas, amparadas por outros países da África, expulsaram o Al Shabaab de Baladweyne há mais de um ano. Apesar de o grupo ter perdido territórios nos últimos tempos, ainda controla grandes áreas rurais e algumas cidades. “Nosso alvo principal eram tropas etíopes e de Djibouti que invadiram nosso país. Eles estavam sentados lá”, disse o Sheikh Abdiasis Abu Musab, porta-voz da operação militar do Al Shabaab, em refereência a soldados de tropas que participam de força africana de paz, contra o grupo terrorista islamita. Abu Musad disse que o número de mortos no ataque deste sábado foi de 25.

Abdirahman Omar Osman, porta-voz do presidente da Somália, Hassan Sheikh Mohamud, afirmou que o bombardeio não intimidará a ação do governo de expulsar o grupo terrorista do comando de alguns territórios do país. “Esse ataque suicida visava deliberadamente desestabilizar a cidade e isso é algo que não vamos tolerar e não vai parar o nosso plano para estabelecer um governo local na região”.

O grupo Al Shabaab demonstrou a capacidade para atacar alvos distantes no mês passado, quando seus homens armados invadiram um shopping center em Nairobi, lançando granadas e atirando em clientes. A ação foi uma represália ao Quênia, que enviou tropas para a Somália combater o Al Shabaab.

(Com Reuters)

LEIA TAMBÉM:

Quinze anos depois, terrorismo em Nairóbi volta a mirar estrangeiros