Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ataques em vários pontos do Iraque deixam 13 mortos

Por Da Redação 13 dez 2011, 14h16

(Atualiza número de mortos e acrescenta novos atentados).

Bagdá, 13 dez (EFE).- Pelo menos 13 pessoas, entre elas soldados das forças de segurança, morreram nesta terça-feira em diversos ataques perpetrados no Iraque, informaram à Agência Efe fontes da polícia do país.

As fontes explicaram que dois policiais morreram na explosão de uma bomba perto do veículo no qual se transferiam ao centro da cidade de Fallujah.

Além disso, um grupo armado matou um miliciano pró-governo dentro de sua casa na aldeia de Al Zeidan, ao sul de Fallujah. Na cidade de Al Eshaqi, dois civis morreram e outros três ficaram feridos pela explosão de uma bomba no veículo em que viajavam.

Outra pessoa morreu pela detonação de um explosivo no sul da cidade de Baquba, enquanto um homem ficou ferido pela explosão de uma bomba ao oeste dessa cidade.

Segundo as fontes da Polícia iraquiana, dois agentes e um civil morreram quando um grupo de homens armados disparou no veículo no qual estavam o chefe do Tribunal de Apelação da província de Al Anbar e outros dois juízes, que ficaram feridos.

Continua após a publicidade

O ataque aconteceu perto de um posto de controle na estrada principal da província, perto de Al Fallujah, a 50 quilômetros de Bagdá.

Em outro incidente, um grupo armado atacou um posto de controle militar na cidade de Tal Afar, situada na província de Ninawa, e matou dois soldados que vigiavam o local.

Em Mosul, capital de Ninawa, vários homens armados dispararam de dentro de um veículo no general Ayad Karkaja, que saía de sua casa e acabou morrendo no lugar.

Em Sharqat, a 280 quilômetros de Bagdá, um tenente-coronel da polícia morreu na explosão de uma bomba colocada em seu carro.

Em um atentado similar, outra bomba deixou um ferido em uma localidade a 90 quilômetros de Tikrit, capital da província de Salah ad Din.

Os fatos ocorrem semanas antes da retirada total das tropas americanas do Iraque, previsto para a final deste mês. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade