Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Argentina tem novo protesto contra o governo Kirchner

Manifestação ocorre às vésperas de primárias e depois de tragédia em Rosário

Por Da Redação 8 ago 2013, 23h32

Às vésperas das primárias para as eleições legislativas na Argentina uma nova manifestação contra o governo de Cristina Kirchner, tendo como principais reclamações a corrupção, a insegurança, a inflação e as reformas no Judiciário aprovadas sob pressão do Executivo. Houve protestos nos principais pontos da capital, como a Praça de Maio e o Obelisco, em frente à residência oficial de Olivos, na Grande Buenos Aires, e também em La Plata e outras províncias.

A referência ao papa Francisco foi constante, com cartazes mencionando o pontífice de origem argentina. “Temos um papa argentino, queremos um governo argentino”, dizia uma das mensagens. Outra trazia uma imagem do ex-cardeal de Buenos Aires com a frase: “Paz e Justiça”. Também houve panelaço em frente à Casa Rosada.

Leia também:

Multidão volta a protestar contra Cristina Kirchner

Continua após a publicidade

Argentinos promovem protesto gigante contra o governo

Milhares protestam contra políticas de Cristina Kirchner

Explosão – Na Praça de Maio, foi feito um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da explosão em Rosário, que deixou pelo menos treze mortos – vítimas ainda estão sendo buscadas sob os escombros e há feridos em estado grave. Um dos organizadores do protesto assinalou que o 8A (uma referência à data) “não é uma festa, por isso não teria de ser suspenso”, informou o jornal La Nación.

Na quarta, a presidente visitou o local da tragédia e foi vaiada. “Não faça política com a dor alheia”, gritaram pessoas que aguardavam informações sobre familiares. Outros exigiam que ela deixasse as equipes de resgate trabalhar, já que sua presença obrigou uma interrupção momentânea da remoção dos destroços.

A situação foi semelhante à vivida por Cristina Kirchner em abril, quando visitou La Plata durante as inundações que deixaram dezenas de mortos. Nesta quinta, manifestantes se concentraram em frente ao Palácio Municipal da cidade, com cartazes relembrando o problema com as enchentes e criticando a falta de informação sobre o número de mortos e atingidos pelas fortes chuvas.

Candidatos – O luto pelas vítimas de Rosário diminuiu o número de participantes nas manifestações, em comparação com mobilizações anteriores contra o governo. Também desta vez, a participação de dirigentes políticos foi pequena. Muitos candidatos a deputado e senador se manifestaram pelas redes sociais para falar sobre a campanha, sem fazer referência aos protestos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)