Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Argentina e Brasil ratificam Atlântico Sul ‘sem armas nucleares’

Por Evaristo Sa 5 set 2011, 19h55

Os ministros da Defesa do Brasil, Celso Amorim, e da Argentina, Arturo Puricelli, ratificaram o compromisso de manter o Atlântico Sul como zona de paz e livre de armas nucleares, entre outros pontos de uma declaração conjunta assinada nesta segunda-feira em Buenos Aires.

Durante a reunião, os dois ministros revisaram a agenda de cooperação bilateral em matéria de defesa, indicou uma nota de imprensa do ministério argentino.

“Para o Brasil, nada foi mais importante que a aproximação com a Argentina, superando rivalidades históricas”, disse Amorim à imprensa, em sua primeira visita oficial à Argentina como ministro da Defesa, cargo que assumiu há um mês, depois de atuar como chanceler durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em linha com o acordado entre as presidentes Cristina Kirchner e Dilma Rousseff em julho passado, os ministros resolveram “aprofundar ações destinadas a desenvolver uma agenda de cooperação bilateral em matéria de defesa no contexto da aliança estratégica entre ambos os países”.

Nesse cenário, identificaram áreas de interesse comum, como “a manutenção do Atlântico Sul como zona de paz e cooperação e livre de armas nucleares”, segundo o comunicado à imprensa.

Continua após a publicidade

Os dois ministros analisaram também a possibilidade de realizar treinamentos conjuntos, com a eventual participação de outros países.

Resolveram coordenar posições sobre a Missão das Nações Unidas no Haiti (Minustah) assim como de ações e posturas no Conselho de Defesa Sul-Americano da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) e outros fóruns.

Também defendem aprofundar a troca de formação e capacitação especialmente em engenharia de defesa e aumentar a cooperação em matéria de treinamento e apoio logístico.

Os governos resolveram também avançar no desenvolvimento de veículos blindados e cooperar em matéria de indústria naval e aeroespacial.

Outro objetivo é o de “concluir em breve” o processo de assinatura de um acordo entre os dois governos sobre medidas de segurança para a proteção de informação confidencial em matéria de defesa, segundo o comunicado.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)