Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Angela Merkel é forte candidata ao Nobel da Paz

A chanceler alemã defende que a Europa se esforce para acolher refugiados e também ajuda na busca pela paz no leste da Ucrânia. Agência da ONU também é candidata

O jornal alemão Bild afirma nesta sexta-feira que a chanceler Angela Merkel é uma candidata forte ao Prêmio Nobel da Paz, que será anunciado na próxima sexta-feira, por seu papel nas crises migratória e ucraniana. Na quinta-feira, Kristian Berg Harpviken, diretor do Instituto de Pesquisas sobre a Paz (PRIO), com sede em Oslo, previu a vitória da chefe de governo alemã. “Angela Merkel receberá o Prêmio Nobel da Paz”, disse em uma entrevista coletiva. “Acredito que a crise europeia dos refugiados – ou deveríamos chamá-la de crise mundial dos refugiados, pois existe uma crise igualmente dramática em várias partes do leste da Ásia – vai chamar a atenção do Comitê Nobel este ano”, completou. “Angela Merkel foi a pessoa que tomou a liderança sobre o tema na Europa”.

A chanceler alemã afirmou que a União Europeia (UE) tem o dever moral de receber as centenas de milhares de pessoas que chegaram ao continente este ano e abriu as fronteiras do país, que este ano prevê a chegada de 800.000 a um milhão de solicitantes de asilo. A posição recebeu muitas críticas em seu próprio campo político na Alemanha e na Europa.

Leia também

Angela Merkel diz que imigrantes são bem-vindos e irão ‘mudar’ a Alemanha

Banco Central alemão defende acolher refugiados para manter nível de bem-estar

Angela Merkel afirma que Alemanha receberá refugiados sem elevar impostos

Merkel também foi uma dos principais nomes a apoiar os acordos de Minsk que resultaram em um cessar-fogo relativamente respeitado no leste de Ucrânia, cenário de confrontos entre as tropas do governo e rebeldes pró-Rússia.

Outro especialista na premiação do Nobel, o historiador norueguês Asle Sveen, afirmou que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) também tem boas chances de vencer o prêmio. “O Acnur está no topo da lista com Mussie Zerai, o padre eritreu que teve um papel central para ajudar os refugiados a cruzar o Mediterrâneo da África do Norte para a Europa”, disse.

Leia mais

Merkel foi tomar “saideira” em bar de hotel de Brasília

Austeridade: Merkel repete a mesma roupa há 18 anos

(Da redação)