Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Além da AP, governo grampeou repórter da Fox News

Jornalista foi considerado cúmplice de conspiração por obter documentos para reportagem, em novo caso de ameaça à liberdade de imprensa nos EUA

Ao escândalo da interceptação de registros telefônicos de mais de vinte linhas usadas por repórteres e editores da agência de notícias The Associated Press juntou-se nesta semana outro caso de agressão do governo americano a um pilar da democracia – a liberdade de imprensa. Desta vez, o Departamento de Justiça vasculhou e-mails e interceptou registros telefônicos do correspondente da rede de televisão Fox News em Washington, James Rosen, em mais um caso de abuso de poder da administração Barack Obama. O jornal The Washington Post revelou que Rosen foi classificado pelo FBI como “cúmplice de conspiração” após obter e publicar informações de documentos confidenciais em um caso de vazamento no Departamento de Estado americano.

Leia também:

Conselheira da Casa Branca sabia de abusos do Fisco

Em meio a escândalos, Casa Branca aposta em ‘agenda positiva’

Escândalo traz à tona nova tática do Fisco – vasculhar o Facebook

A polícia federal americana chegou até a controlar as visitas do correspondente ao Departamento de Estado – o que não estava previsto na autorização judicial. “Nós estamos indignados por saber que James Rosen foi denominado um criminoso e cúmplice de conspiração por simplesmente fazer o seu trabalho como repórter”, disse nesta segunda-feira em comunicado o vice-presidente da Fox News, Michael Clemente. “Nós vamos defender seu direito de trabalhar como membro do que sempre foi até agora uma imprensa livre”.

Segurança nacional – No caso envolvendo a agência AP, investigadores federais obtiveram secretamente dois meses de registros telefônicos, incluindo telefones residenciais e celulares. Sabe-se que o governo estava investigando o vazamento de informações oficiais sigilosas dando conta de que a CIA desbaratara o plano de um grupo terrorista do Iêmen de explodir um avião. Ninguém assumiu a responsabilidade por ordenar a espionagem contra a agência. O presidente Obama negou-se a pedir desculpas, com a justificativa de que “vazamentos em questões de segurança ameaçam a vida de agentes de inteligência”. Na zona de sombra entre os imperativos da segurança nacional e a garantia às liberdades civis, o governo americanotem o direito legal de obter registros telefônicos de jornalistas, mas só quando esta for a última alternativa e de modo limitado. Os casos ligados à imprensa também trazem à tona o tratamento que o governo democrata dá aos inimigos. A administração Obama tem sido implacável com os vazadores. O número de acusados de vazamentos no atual governo já é mais que o dobro de todos os governos anteriores somados.

Caio Blinder: Será que escândalos levarão Obama para a lixeira da história?

Blindagem – O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, repetiu na noite de segunda o discurso usado para o caso da AP ao ser questionado sobre a espionagem contra o correspondente da Fox. Disse que “compartilha totalmente, como a maioria dos americanos, a convicção do presidente de que devemos ter uma imprensa que seja capaz de fazer um jornalismo investigativo e que devemos defender a Primeira Emenda da Constituição que consagra a liberdade de expressão”. E, para dar sequência à tese defendida pelo governo, ressaltou em seguida a importância de “não tolerar esse tipo de vazamento, que pode colocar vidas em perigo e ameaçar a segurança nacional”.

Carney estava mais preocupado em blindar a imagem de Barack Obama em relação a outro escândalo, o da perseguição do Fisco a grupos conservadores. O porta-voz confirmou que funcionários da cúpula da administração democrata, incluindo o chefe de equipe da Casa Branca, Denis McDonough, souberam no mês passado da investigação do Departamento do Tesouro sobre as irregularidades. Mas eles não teriam informado o presidente, disse o assessor, justamente para evitar a suspeita de interferência nas investigações.