Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ajuda da Alemanha à Ucrânia vira piada: ‘vão enviar travesseiros?’

A ministra da Defesa da Alemanha, Christine Lambrecht, disse que a entrega de capacetes 'envia sinal muito claro' de apoio à Ucrânia

Por Ernesto Neves Atualizado em 26 jan 2022, 19h05 - Publicado em 26 jan 2022, 18h46

Quinto maior exportador de armas do planeta, a Alemanha vem sofrendo fortes críticas na Europa por  recusar o envio de ajuda militar à Ucrânia.

Nesta quarta-feira (24), Berlim tentou contornar o crescente desconforto entre aliados, anunciando envio de 5.000 capacetes para Kiev.

De acordo com a ministra da Defesa da Alemanha, Christine Lambrecht, a entrega dos capacetes “representa um sinal muito claro” de que seu país está do lado da Ucrânia em meio ao cerco promovido pela Rússia.

A ajuda, porém, foi considerada uma “piada” pelo prefeito da capital ucraniana, Vitali Klitschko. Segundo Klitschko, o conteúdo da ajuda militar “o deixou sem palavras”.

“Cinco mil capacetes são uma piada absoluta”, disse o prefeito ao jornal diário alemão Bild. “O que a Alemanha enviará a seguir? Travesseiros?”

Com 125.000 soldados russos reunidos na fronteira ucraniana, é forte o temor de que um grande conflito possa eclodir no coração da Europa.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky vem fazendo apelos a potências ocidentais para que ajudem o país a reforçar suas defesas militares.

Continua após a publicidade

Até o momento, Reino Unido, Estados Unidos e os países bálticos já enviram armas e dinheiro para Kiev. Os armamentos incluem mísseis antitanque e baterias antiaéreas.

Mas o chanceler Olaf Scholz vem se recusando a enviar auxílio militar a Kiev, alegando que o gesto serviria para inflamar ainda mais a região.

Por trás da postura reticente, apontam críticos, está a dependência da Alemanha do gás russo. Metade do consumo de gás natural da indústria alemã tem origem em território russo.

A Alemanha também planeja para breve a inauguração de um novo gasoduto, o Nordstream 2, que conectará as reservas russas ao país através do Mar Báltico.

Berlim afirmou no início desta semana que a Alemanha entregaria um hospital de campanha e que já forneceu respiradores.

A contribuição foi alvo de críticas em Kiev. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, afirmou que a postura da Alemanha está “minando a unidade europeia” e “encoraja Vladimir Putin”.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês