Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Ações da Rússia não são diferentes do Estado Islâmico, diz Zelensky à ONU

Em discurso ao Conselho de Segurança, presidente ucraniano voltou a pedir investigações transparentes com cooperação máxima de instituições internacionais

Por Caio Saad Atualizado em 5 abr 2022, 13h29 - Publicado em 5 abr 2022, 12h25

Em discurso em vídeo ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, detalhou nesta terça-feira, 5, o que viu durante sua visita à cidade de Bucha, ao norte de Kiev, onde mais de 400 corpos foram encontrados nas ruas após a retirada de tropas de Moscou. As práticas usadas, segundo ele, “não são diferentes das empregadas por outros terroristas, como o Estado Islâmico”.

“Retornei ontem da nossa cidade de Bucha, liberada recentemente das tropas russas, não muito longe de Kiev. Não há um único crime que não cometeram. O Exército russo procurou e matou deliberadamente qualquer um que servia nosso país”, disse. “Eles atiraram e mataram mulheres do lado de fora de suas casas, eles mataram famílias inteiras, crianças e adultos, e tentaram queimar seus corpos”.

Segundo o presidente, haveria uma “política consistente de destruir a diversidade étnica e religiosa, então inflamam guerras e as lideram deliberadamente de maneira a matar o maior número possível de civis”. “Algumas delas foram baleadas nas ruas, outras foram jogadas em poços para que morressem. Há sofrimento. Foram mortos em apartamentos, explodidos por granadas em suas casas”.

A Procuradoria Geral da Ucrânia divulgou neste domingo que 410 corpos foram encontrados nas ruas dos subúrbios do norte de Kiev, após a retirada das tropas de Moscou. Segundo o governo ucraniano e de acordo com imagens difundidas por veículos internacionais, os corpos apresentavam sinais de terem sido sumariamente executados. As vítimas estariam trajando roupas civis e muitas estavam com as mãos atadas.

Diante do cenário descrito, Zelensky instou o Conselho de Segurança a fornecer garantias de segurança à Ucrânia.

Continua após a publicidade

“Onde está a segurança que o Conselho de Segurança precisa garantir? Não está lá. Embora exista o conselho.Onde está a paz? Aquelas garantias que as Nações Unidas precisam garantir?”, perguntou aos presentes.

Definindo as ações russas como “crimes de guerra”, Zelensky voltou a pedir investigações minuciosas e transparentes, com cooperação máxima de instituições internacionais e envolvimento do Tribunal Penal Internacional.

Em nota emitida no domingo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar “profundamente chocado com as imagens de civis mortos em Bucha”. Ele pediu uma investigação independente que leve à prestação de contas.

Mais cedo nesta terça-feira, o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (Acnudh) disse estar revisando vídeos e materiais recebidos sobre a situação em Bucha, e que análises preliminares “parecem sugerir” um assassinato de civis de forma deliberada, de acordo com a porta-voz Liz Throssell. 

Segundo Throssell, as imagens em que corpos aparecem com as mãos amarradas ou queimadas poderiam indicar que os agressores visavam deliberadamente essas vítimas, o que poderia elevar a gravidade dessas violações aos direitos humanos cometidos durante a invasão à Ucrânia, se os fatos forem confirmados.

“Na semana passada, a Alta Comissária Michelle Bachelet já falou de possíveis crimes de guerra no contexto de bombardeios a infraestruturas civis, mas isso aparenta ser um assassinato direito de civis”, disse a porta-voz, que admitiu haver a necessidade de comprovar as imagens. “Em incidentes específicos, são necessárias análises forenses, monitoramento e coleta de informações, para determinar quem fez o que”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)