Clique e assine a partir de 9,90/mês

A Venezuela de Maduro é o Chile de 1973?

As espantosas semelhanças entre o país do sucessor de Hugo Chávez e o Chile de Salvador Allende

Por Paula Pauli - 18 mar 2015, 19h16

O presidente venezuelano Nicolás Maduro até teria direito, se quisesse, de jogar a culpa pelo caos que acomete seu país ao seu antecessor Hugo Chávez, eleito em 1998. Já o chileno Salvador Allende fez o trabalho todo em apenas três anos, sozinho. É essa a principal diferença entre os dois momentos históricos. Em todo o resto, a realidade da Venezuela de hoje e a do Chile de 1973, quando Allende acabou sendo apeado do poder, são extremamente parecidas. Alguns pontos:

IDEOLOGIA

Venezuela chavista

Continua após a publicidade

O partido do presidente é o Partido Socialista Unido de Venezuela, PSUV. Maduro fala, como fazia Chávez, em forjar o Socialismo do Século XXI

Chile de Allende

Continua após a publicidade

Membro do Partido Socialista no início, ele depois foi eleito pela Unidade Popular, uma coalizão de esquerda que incluía socialistas e comunistas

Continua após a publicidade

ESTATIZAÇÕES

Venezuela chavista

Continua após a publicidade

Em 2010, Chávez promoveu 284 apropriações de empresas. Esse número só cresceu depois. Só no primeiro semestre de 2011, foram 401 companhias

Chile de Allende

Continua após a publicidade

Entre 20% e 25% de todas as fazendas foram expropriadas. O governo chegou a ter mais de 70% da indústria nas mãos

PRISÕES DE EMPRESÁRIOS

Continua após a publicidade

Venezuela chavista

Continua após a publicidade

Em fevereiro, sete dirigentes da rede farmacêutica Farmatodo foram presos acusados de esconder produtos. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) já denunciou a prisão de ao menos quinze empresários de vários ramos

Chile de Allende

Continua após a publicidade

O presidente realizou prisões arbitrárias de 63 dirigentes de empresas, segundo Luiz Alberto Moniz Bandeira no livro Fórmula para o Caos

ESCASSEZ

Venezuela chavista

Continua após a publicidade

A ineficiência estatal no comando da economia e as perseguições a empresários levaram à escassez de produtos. Segundo o Banco Central, faltam 22,4% dos itens

Chile de Allende

Continua após a publicidade

O primeiro produto a sumir foi o óleo de cozinha. Depois, manteiga, botijão de gás, cigarro, gasolina, pasta de dente e pão. As filas para comprar cigarro tinham em média 100 pessoas

RACIONAMENTO

Venezuela chavista

Continua após a publicidade

A compra de produtos racionados é controlada com leitores biométricos nos caixas

Continua após a publicidade

Chile de Allende

Continua após a publicidade

Comitês locais, as Juntas de Abastecimento e Preços, distribuíam cartões de racionamento, parecidos com os de Cuba

INFLAÇÃO

Venezuela chavista

Continua após a publicidade

Pela regra da oferta e da demanda, quando não há produtos disponíveis nas prateleiras, os preços sobem. Em 2014, a alta foi de 68,5%

Chile de Allende

Continua após a publicidade

No ano em que Allende foi eleito, 1970, a inflação chilena ficou na casa dos 36,1%. Em 1972, 150%. Em 1973, 283,4%

INFLUÊNCIA CUBANA

Venezuela chavista

Continua após a publicidade

Há 20.000 cubanos trabalhando para o governo venezuelano. Os principais postos militares foram tomados por cubanos

Chile de Allende

Continua após a publicidade

O ditador Fidel Castro enviou armas e deu treinamento para militantes chilenos. Os cubanos compunham de 2.000 a 5.000 militantes do Movimento da Esquerda Revolucionária (MIR), que promovia atentados no país. A força que fazia a segurança do presidente, o Grupo de Amigos Pessoais (GAP), era comandada por um militante que também treinou em Cuba, Max Marambio.

Publicidade