Clique e assine com até 92% de desconto

A senadores, jornalista diz que Guardian tem milhares de documentos

Em Brasília, Glenn Greenwald fez críticas ao governo americano e disse que quem mora em outros países está mais vulnerável aos monitoramentos

Por Gabriel Castro, de Brasília 6 ago 2013, 17h16

O jornalista americano Glenn Greenwald, que divulgou os documentos secretos obtidos pelo técnico de informática Edward Snowden, afirmou nesta terça-feira que as revelações feitas até agora pelo jornal The Guardian são apenas uma pequena parte dos cerca de 20 000 documentos a ele entregues pelo delator da espionagem americana internacional. “Os artigos que temos publicado são uma porção muito pequena das revelações que ainda devem vir a público”.

Saiba mais:

Saiba mais: NSA é capaz de vigiar ‘quase tudo’ que alguém faz na web

Greenwald, que mora no Rio de Janeiro e escreveu sobre os programas de vigilância americanos para o jornal britânico, falou nesta terça aos membros da Comissão de Relações Exteriores do Senado. O assunto chegou a Brasília depois que o jornal O Globo revelou que as garras da espionagem americana alcançavam o Brasil.

Diante da notícia, e do fato de que pouco ou nada de prático se pode fazer para deter esse tipo de ação, o Brasil reagiu esbravejando contra Washington, em uma tentativa de iludir a plateia e desviar o foco dos próprios fracassos domésticos. A indignação inicial do Executivo se prolongou no Legislativo, onde foi proposta a criação de uma CPI da Espionagem. A ideia alcançou o número necessário de assinaturas no Senado – agora faltam os partidos indicarem os integrantes.

Reinaldo Azevedo: Snowden, mais um delinquente alçado a herói

Na audiência pública desta terça, os parlamentares ouviram de Greenwald que as agências de inteligência dos EUA têm capacidade de acessar o conteúdo das comunicações eletrônicas, não apenas os chamados metadados – informações que podem indicar, por exemplo, quem está envolvido na comunicação, em que data ocorreu o contato, a partir de qual localidade e quanto tempo durou, mas sem que se tenha acesso ao conteúdo. Em julho, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, havia dito a autoridades brasileiras que as agências de inteligência dos EUA monitoram comunicações, mas não o conteúdo, apenas metadados. “O objetivo do governo dos EUA é muito claro: eliminar a privacidade de todo o mundo”, disse o repórter do Guardian.

Leia também:

Na ONU, países do Mercosul reclamam de espionagem americana

Continua após a publicidade

Concorrente do Facebook na Rússia oferece emprego a Snowden

EUA “extremamente desapontados” com asilo a Snowden

Ele acrescentou que o governo brasileiro passou a ser um foco importante de monitoramento nos últimos anos e afirmou que as pessoas que não moram nos EUA estão ainda mais vulneráveis aos monitoramentos. “Se você não é americano você não é protegido por lei. A NSA pode pedir qualquer comunicação que eles queiram”, disse, citando a Agência de Segurança Nacional americana.

Após a audiência, o jornalista afirmou que a Casa Branca não acha necessário apresentar explicações públicas ao Brasil sobre o episódio: “O governo americano acredita que não precisa dar explicação para o público brasileiro porque eles podem resolver tudo muito facilmente com o governo brasileiro”.

Leia mais:

Suspeita de espionagem faz Brasil avaliar mais conteúdo local para 4G

Governo quer obrigar gigantes da internet a armazenar dados no Brasil

Espionagem não é ‘novidade’, diz ministro das Comunicações

Governo cria grupo para apurar monitoramento dos EUA

Greenwald disse que mantém contato regularmente com Edward Snowden por meio de um sistema de dados criptografados, para evitar monitoramentos. Na semana passada, o americano conseguiu asilo temporário na Rússia. A decisão de abrigar não foi bem recebida pela administração Obama, que declarou ter ficado “desapontada” com o governo russo.

Continua após a publicidade
Publicidade