Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

A história por trás da foto de uma criança que chocou a Argentina

Menino mora com a família em uma praça na cidade de Posadas, na fronteira com o Paraguai

Por Da Redação Atualizado em 20 dez 2017, 12h38 - Publicado em 19 dez 2017, 22h30

No último dia 14, o site argentino de notícias Misiones Online publicou uma imagem de um menino indígena da etnia guarani mbya que causou repercussão nas redes sociais do país.

A foto, tirada por volta do meio-dia, mostra uma criança de cerca de cinco anos ajoelhada sobre uma poça escura tentando beber água. Os termômetros marcavam 38 graus àquela hora.

A fotógrafa, que também é repórter do site, viu a cena enquanto esperava um semáforo em uma das principais avenidas da cidade de Posadas, capital da província de Misiones, próxima à fronteira com o Paraguai.

  • A imagem chegou até Migue Rios, um jovem argentino que trabalhou para o Unicef e fez trabalhos voluntários em várias ONGs. Ele postou a foto em sua conta pessoal no Facebook com a legenda: “Enquanto o país está em chamas, esta criança guarani está bebendo água do chão. Estamos fazendo algo errado nesta sociedade, não?”.

    O post já foi compartilhado mais de duas mil e quinhentas vezes.

    Segundo o site argentino, é comum que famílias indígenas morem em acampamentos improvisados nas praças da cidade. Os adultos geralmente vendem artesanato e as crianças pedem esmola em semáforos e locais públicos. “Apesar de receberam assistência permanente, eles resistem a deixar a região já que aqui ganham mais do que em seus vilarejos”, diz a notícia.

    Outra jornalista do Misiones Online enviou a foto a um grupo de amigas que se mobilizou para levar garrafas de água, picolés e outros mantimentos às famílias que estavam no local.

    O noticiário afirmou que publicou a imagem para “mostrar esta realidade que existe há vários anos e que faz parte da capital da província de Misiones, na qual adultos exploram crianças que pedem esmolas e famílias inteiras de guaranis mbyá moram em praças e avenidas”.

    Continua após a publicidade
    Publicidade