Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Azeites brasileiros entram em lista dos melhores do mundo

Eles provam que, com a ajuda da tecnologia, é possível obter qualidade mesmo em condições adversas

Por André Sollitto Atualizado em 27 jun 2022, 11h30 - Publicado em 25 jun 2022, 08h00

A tradição milenar diz que os melhores azeites do planeta são aqueles desenvolvidos pela cozinha mediterrânea. Países como Espanha, Itália e Portugal conquistaram ao longo da história a justa fama de produzir exemplares de tão elevada qualidade que jamais poderiam ser incomodados por outros fabricantes. Não à toa, o poeta Homero chamou os azeites feitos em sua Grécia Antiga de “ouro líquido”, expressão que acabaria consagrada pelo tempo. No lado de cá do globo, o Brasil, dadas as suas características climáticas, nunca se inseriu nesse panteão como protagonista. As oliveiras, afinal, precisam de temperaturas baixas no período que antecede a floração e, por isso, jamais houve muita disposição para investir no ramo em solo nacional. O cenário, contudo, mudou da água para o vinho — ou para o azeite, para ficarmos nesta página. Pois nos últimos anos a olivicultura avançou no Sul do país e o que se vê agora é uma safra inédita de produtos reconhecidos até no exterior.

ARBEQUINA MILONGA - Escolhido o melhor monovarietal do Hemisfério Sul, é feito com uma azeitona espanhola que encontrou condições ideais no Brasil -
ARBEQUINA MILONGA – Escolhido o melhor monovarietal do Hemisfério Sul, é feito com uma azeitona espanhola que encontrou condições ideais no Brasil – @AzeiteMilonga/Instagram

Há alguns dias, a tradicional competição italiana EVO IOOC elegeu o azeite Arbequina, produzido pela Milonga na cidade gaúcha de Triunfo, o melhor do Hemisfério Sul. O mais surpreendente é que não se trata de uma conquista isolada. Outros rótulos nacionais também ganharam destaque no evento, superando inclusive rivais mais tarimbados, como gregos e italianos. Pouco antes, no início de maio, o Sabiá, fabricado na paulista Santo Antônio do Pinhal, na Serra da Mantiqueira, ingressou na seletíssima lista elaborada pela associação espanhola Evooleum Awards como um dos dez melhores do mundo, sendo o único representante fora da Europa.

PROSPERATO COM PIMENTA - Produzido com infusão de pimenta jalapeño em Caçapava do Sul, no Rio Grande do Sul, foi eleito um dos melhores aromatizados do mundo -
PROSPERATO COM PIMENTA – Produzido com infusão de pimenta jalapeño em Caçapava do Sul, no Rio Grande do Sul, foi eleito um dos melhores aromatizados do mundo – @AzeiteProsperato/Instagram
ARBEQUINA LAGAR H - Também feito com a variedade arbequina, é elaborado na gaúcha Cachoeira do Sul e tem notas florais de camomila e aroma de frutas -
ARBEQUINA LAGAR H – Também feito com a variedade arbequina, é elaborado na gaúcha Cachoeira do Sul e tem notas florais de camomila e aroma de frutas – @LagarHAzeite/Instagram

Os resultados chamaram a atenção da comunidade internacional não apenas pela posição geográfica dos vencedores, mas também pela juventude de seus olivais. O movimento pró-azeite começou a ganhar vigor a partir do início dos anos 2010, quando produtores descobriram como adaptar as oliveiras, habituadas ao clima mediterrâneo, à realidade brasileira. Nesse período, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) iniciou pesquisas de campo que se revelaram fundamentais. A história da Milonga ilustra bem a questão. O rótulo premiado faz parte da primeira safra comercial da marca e foi concebido após minuciosas análises da qualidade do solo. “Sempre fui apaixonado por azeite, mas só em 2015 vi que era possível produzir no Brasil com qualidade”, afirma Chris Vogt, sommelier de azeites e um dos sócios da empresa. O primeiro pomar foi plantado em 2017 e apenas agora surgiu a primeira safra grande. “Normalmente, o pomar chega à maturidade após oito ou dez anos, então é possível que o volume aumente ainda mais.”

CASA GABRIEL RODRIGUES - O blend fabricado em São Gabriel, no Rio Grande do Sul, foi eleito o melhor coupage, característica que indica a mistura de variedades de azeitonas -
CASA GABRIEL RODRIGUES – O blend fabricado em São Gabriel, no Rio Grande do Sul, foi eleito o melhor coupage, característica que indica a mistura de variedades de azeitonas – @CasaGabrielRodrigues/Instagram

De acordo com o Instituto Brasileiro de Olivicultura, o Brasil tem 7 000 hectares de área plantada com oliveiras. A produção se espalhou pelo país, chegando até a Bahia. Foi no Rio Grande do Sul, contudo, que os fabricantes encontraram o clima mais adequado. Mesmo assim, se viram obrigados a fazer adaptações. A principal está relacionada ao solo, mais ácido que o mediterrâneo. Para alcançar a quase neutralidade, ele deve receber calcário, elemento vital para que as plantas se desenvolvam. Mas não é só isso. “O terroir, que é a interação entre clima e solo, tem conferido aos azeites nacionais características sensoriais que não são encontradas nas plantações de seus países de origem”, afirma o engenheiro agrônomo Fabrício Carlotto, consultor de olivicultura. Apesar dos notáveis avanços, o mercado nacional é um dos mais modestos do mundo, com o consumo anual per capi­ta de 0,4 litro por pessoa — para efeito de comparação, na Grécia o índice gira em torno de 13 litros. O surgimento de excelentes azeites brasileiros tem tudo para mudar por aqui a situação do “ouro líquido”.

Publicado em VEJA de 29 de junho de 2022, edição nº 2795

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)