Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Última campeã do Brasil atribui domínio africano à experiência internacional

Por Da Redação 1 jan 2012, 10h09

A vitória de Lucélia Peres na edição de 2006 da Corrida Internacional de São Silvestre foi a última de uma brasileira na disputa. Para a competidora, o dominio das africanas, repetido na prova deste sábado, é resultado da presença frequente de parte das estrangeiras em provas de alto nível durante a atemporada.

‘As quenianas fazem muitas provas internacionais, elas estão sempre disputando provas fortíssimas e acho que é essa a vantagem que elas têm levado em relação a nós, brasileiras. Mas a gente tem lutado, tem melhorado e vamos continuar fazendo isso’, declarou a atleta.

Depois do triunfo de Lucélia no ano de 2006, a queniana Alice Timbilili venceu em 2007 e 2010. A etíope Yimer Wude Ayalew ganhou na temporada de 2008 e Pasalia Chepkorir, também do Quênia, faturou em 2009. Neste sábado, Priscah Jeptoo, mais uma queniana, levou a melhor.

Na 87edição da Corrida, as atletas brasileiras nem sequer conseguiram brigar pela vitória e o País ficou sem representantes no pódio, composto integralmente por atletas nascidas no continente africano. Cruz Nonata da Silva, sexta colocada, foi a melhor atleta da casa com o tempo de 51min59s, mais de três minutos superior à Jeptoo.Após ver o jejum de triunfos brasileiros aumentar ainda mais, Lucélia revelou que já sente saudades do antigo percurso, com chegada na Avenida Paulista. ‘A minha vitória foi no trajeto antigo e estou com o coração apertado pela mudança’, confessou a corredora, que, por outro lado, aprovou o novo circuito.

‘Esse percurso é bem mais rápido e achei que ficou legal no geral. Mas está mais difícil, porque o atleta pode perder o controle das passas nas descidas se não tomar cuidado’, declarou Lucélia depois de cruzar a linha de chegada posicionada em frente ao Obelisco do Ibirapuera.

O resultado oficial da São Silvestre ainda não foi divulgado, mas Lucélia ficou fora do grupo das 20 primeiras colocadas. Ainda assim, gostou da performance. ‘Eu acho que fiz uma prova muito boa, dentro das minhas expectativas. Consegui terminar inteira e fiquei super satisfeita’, declarou.

A disputa masculina da São Silvestre também terminou sem brasileiros em cima do pódio, já que o melhor representante do País foi Damião Ancelmo, sexto colocado com a marca de 44min53s. O campeão Tariku Bekele, da Etiópia, percorreu os 15 quilômetros em 43min35s.

Continua após a publicidade
Publicidade